Jump to content
Arquitectura.pt


MartaMoreira

1º Prémio Internacional de Arquitectura e Energias Renováveis

Recommended Posts

O projecto apresentado, refere-se ao Prémio Vencedor do Concurso Internacional de Arquitectura e Energias Renováveis - Ares Competition.
O concurso foi lançado pela Technical Chamber of Greece (TCG),e pelo Work Programme on Architecture and Renewable Energy Sources (ARES) da União Internacional dos Arquitectos(UIA). A equipa portuguesa vencedora, é composta pelo Arquitecto responsável,João Manuel Barbosa Menezes de Sequeira, e pelos Arquitectos estagiários, Ana Carina Bernardo Figueiredo, Marta João Pimenta Moreira e Pedro Miguel Fernandes Ferreira.
O Projecto estará exposto durante Dezembro de 2007 no Fórum de Atenas(Grécia) e em Julho de 2008 no 23º Congresso Internacional de Arquitectura em Turim (Itália), onde decorrerá a cerimónia de entrega dos prémios.

Contacto: ajs.arquitectos@gmail.com



Projecto - SHELTER BOX

Conceito e Forma
O conceito para a SHELTER BOX (caixa abrigo) é baseado na versatilidade, pré-construção e rapidez de edificação. Para alcançar estes objectivos complexos, tivemos de começar por dois conceitos materiais mais simples, o de tenda e o de acordeão, que considerámos poderem abraçar aqueles significados. A tenda é o abrigo mais vulgar e o mais usado em todo o tipo de situações de emergência, e tem-se transformado na memória, sempre renovada, dos vastos campos de refugiados que ocorrem pelo mundo desde o pós-guerra até à actualidade; o acordeão permitia-nos, por um lado, usá-lo formalmente, explorando a possibilidade de portabilidade e de transformação espacial, que ocorrem naturalmente na produção dos sons deste instrumento musical e por outro lado, usá-lo como nó poético, lembrando-nos a importância da música e da poesia na vida de cada um.
O conceito para a SHELTER BOX é baseado na ecologia, sustentabilidade e sobretudo no uso de recursos energéticos renováveis. Por isso a nossa proposta beneficia de recursos ligados à energia solar, ao aproveitamento das águas pluviais, de uma atenção especial aos aspectos sanitários, à cor, bem como se preocupa, com a reutilização destes abrigos e com o seu ciclo de vida útil.


O Módulo
A SHELTER BOX é composta por uma unidade multi-funcional que contém a instalação sanitária e a cozinha, sendo neste núcleo, que se encontram as baterias de acumulação de energia fotovoltaica e o depósito de águas pluviais (também possível ligação de água corrente canalizada).
Os dois blocos fixos são ligados por um fole em lona dupla com isolamento de lã de rocha e a SHELTER BOX adquire firmeza pela translação daqueles blocos e simultâneo rebatimento do pavimento, só depois a unidade multi-funcional roda para a sua posição final.
Assim aberta, caracteriza-se, no seu espaço base, por uma zona de estar e pelo módulo multi-funcional. A expansão lateral origem dos espaços para os quartos, faz-se através do rebatimento das placas laterais dos blocos fixos.
Como está subjacente ao conceito de módulo, ele permite conexões diversas, origem de novas expansões e de espaços de abrigo para famílias mais numerosas.

Estrutura Urbana
Aquelas conexões permitem posteriormente estruturações urbanas diversas e adaptáveis a estruturas já existentes. Sendo uma das preocupações ecológicas a integração da SHELTER BOX nas cidades e/ou aglomerados urbanos existentes. As expansões da SHELTER BOX permitem também alterações às funções a que se destinam, permitindo ainda, a criação de escolas provisórias, de centros de atendimentos dos refugiados, de centros médicos, entre outros. Infraestruturas necessárias a qualquer estabelecimento humano provisório.
Foi considerada a cidade de Safi em Marrocos, como um exemplo possível de utilização em caso de catástrofe. Naquela se pode ver a qualidade da integração urbana esperada. Em consonância com a envolvente, propôs-se um plano urbano que se desenvolve a partir da malha existente, tendo em conta o enquadramento com os edifícios limítrofes, os acessos e a ligação a infraestruturas sanitárias existentes.
Embora o exemplo dado, tenha sido a cidade de Safhi em Marrocos, a SHELTER CITY pode inserir-se noutras zonas geográficas, cujas características climáticas determinam o uso de cores específicas para a SHELTER BOX (ex. zonas quentes/cores quentes - laranja e amarelos, zonas frias/cores frias - azuis)conforme se pode ver no painel 2.

Transporte
O transporte do módulo pode ser feito por via terrestre, marítima ou aérea, uma vez que a sua versatilidade formal o permite. Calculámos duas situações distintas: transportes de longa e média distância que seriam realizados preferencialmente por via terrestre (camião ou comboio) ou via marítima, altura em que o módulo seria acomodado em contentores, 8 por contentor; transportes de curta distância seriam realizados preferencialmente por via aérea, quer pelo uso de helicópteros de transporte de contentores, quer pelo uso de helicópteros normais, altura em que se transportariam os módulos em pequenos grupos de 2 a 3. (painel 2)

Montagem e Materiais
Trata-se de um projecto exequível de fácil montagem, com grande durabilidade (esquema de montagem, painéis 1e 4).Propôs-se a utilização de materiais sustentáveis para os exteriores, como a lona aglomerada com a lã de rocha. Por outro lado, propôs-se a utilização de materiais locais para os blocos fixos como os aglomerados de cimento e madeira (tipo Viroc), etc.


Autonomia Energética
Em termos de autonomia energética foram colocados 4 painéis fotovoltaicos para uma única unidade modular. A utilização a nível interno de água potável é possível através de um depósito integrado na parte superior do módulo, que permite o encaminhamento em tubagem da água para a cozinha e para a instalação sanitária.
A ventilação do módulo, é feita através da abertura em fole da estrutura em lona.

Informação na Casa da Vizinha: http://www.casadavizinha.eu/projectos/37-shelter-box.html

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acho o projecto fantastico, só que... Numa situação de emergência ninguém vai estar a pagar painéis solares; numa situação permanente, ninguém vai querer algo tão pequeno. Não vejo qual a sua viabilidade económica

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá Sputnik, um dos objectivos principais do concurso era criar abrigos bioclimáticos e utilizar as fontes de energia renováveis por isso, utilizámos os painéis solares no nosso projecto.

"The goal of the competition is to collect innovative ideas and examples of bioclimatic shelter typologies and settlements units that utilize renewable energy sources and can be exploited in different locations, climates and cultures for a temporary housing of people affected by natural disasters, offering viable living conditions, energy autonomy, clean potable water, if it is possible, with respect to the environment."

Era também objectivo, criar um módulo temporário e não um módulo permanente.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bem ... ou estamos perante coincidência intelectual ou estão estamos perante um plágio! Há bem pouco tempo, participei neste fórum, num concurso sobre "Espaços para Habitar" ... e a minha proposta era exactamente o conceito da ideia agora apresentada! Gostaria de ver datada essa proposta e de saber como essa ideia surgiu! Por impulso, quase que me apetecia dizer que fui roubado!!! Já não tenho o link da minha proposta. Não sei se a administração poderia recuperar o link da minha proposta?! ... mas seria interessante analisar essa "coincidência" estranha ... Convido os autores a explicarem de onde vem a ideia ... mas que sejam sinceros e verdadeiros!

Share this post


Link to post
Share on other sites
refs trata-se de uma evidente coincidência intelectual, a concurso ARES terminou em 29 de Junho, e os resultados do nosso concurso apenas foram publicados em 16 de Julho. Por isso nenhum dos participantes tinha acesso a nenhuma das iniciativas.

Por favor tenham em atenção a esse tipo de comentários em público, antes de enviar o comentário por favor verifiquem datas, dados, tipologias e outros dados que possam ajudar, uma acusão dessas pode prejudicar ambos os participantes, em ambos os concursos.

refs a sua proposta está disponível neste link:
http://www.arquitectura.pt/forum/f113/concurso-espa-habit-vel-6839.html

Share this post


Link to post
Share on other sites

refs trata-se de uma evidente coincidência intelectual, a concurso ARES terminou em 29 de Junho, e os resultados do nosso concurso apenas foram publicados em 16 de Julho. Por isso nenhum dos participantes tinha acesso a nenhuma das iniciativas.

Por favor tenham em atenção a esse tipo de comentários em público, antes de enviar o comentário por favor verifiquem datas, dados, tipologias e outros dados que possam ajudar, uma acusão dessas pode prejudicar ambos os participantes, em ambos os concursos.

refs a sua proposta está disponível neste link:
http://www.arquitectura.pt/forum/f113/concurso-espa-habit-vel-6839.html



Connecty ... eu sei mensurar akilo q digo! Acredita que não disse o q disse de ânimo leve!

Repara, entreguei a minha proposta em 16 de Junho ... 13 dias depois (quase duas semanas!) terminou o prazo do concurso ARES ... mais precisamente, no dia 29 de Junho ...

... É caso para perguntar (legitimamente) ... Será que alguém da equipa q apresentou a proposta ARES não fazia parte do Juri do concurso "Espaço Habitável"?

Share this post


Link to post
Share on other sites
refs com certeza podes verificar que os trabalhos para o concurso apenas foram expostos ao público no dia 16 de Julho (um mês depois).

Como pode verificar pelos nomes nenhum dos membros do Júri faz parte desta equipa:
- Arq. Fernando Guerra (Fotografo de Arquitectura - Últimas Reportagens)
- Arq. Ivo Sales Costa (blog AspirinaLight.com)
- Arq. Daniel Carrapa (blog A Barriga de um arquitecto)
- Arq. Fernando Alves (Fernando Alves Arquitectos - Guimarães)

Devo acrescentar que a Marta Moreira também participou no concurso "Espaços Habitáveis" com a entrada:
http://www.arquitectura.pt/forum/f113/temp-space-6850.html

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mas digam-me o porquê desta exaltação quando eu não entendo o que é que o projecto do membro refs tem que ver com o projecto deste tópico?! Refs: por acaso analisaste este projecto, para além do óbvio? não me parece... pelo facto de nos dois haver um toldo não vamos estar aqui a dizer que são cópias quando na verdade nada têm que ver um com o outro... já parece que chegamos aos estados unidos...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acho inadmissível acusações deste tipo, por favor identifique-se. Se continua a insistir neste assunto a meu ver extremamente grave e incoerente, a equipa vai proceder com uma queixa na Ordem dos Arquitectos conforme os Regulamentos de Estatuto e Deontologia (artº11). O projecto foi desenvolvido em 5 meses e nada tem a haver com o seu conceito, lamento mas nem de coincidência intelectual se trata. É muito fácil acusar Prémios Internacionais de plágio.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Com certeza o membro refs não fez por mal e terá agido um pouco por impulso, as semelhanças que possam existir em ambos os projectos são meramente coincidências.

Como expliquei não existe possibilidade de "plágio" neste assunto. Peço que continuem a dicussão sobre o projecto apresentado pela Marta e sua equipa.

Obrigado

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bem ... parece que regressamos ao tempo da PIDE-DGS! ... É impressão minha, ou estamos perante uma ameaça?! ... se quiserem realmente ameaçar, avisem (#1)! Estou realmente cheio de MEDOOOO da Ordem ... principalmente do artigo 11º (... uuhhhhhh ... q MEDO!) ... DREAM on! Se estão realmente convictos da vossa "originalidade", não precisam de ficar nervosos/as ... eu estou de consciência tranquila, não estou exaltado e nem vou ficar ... Se a minha intenção fosse outra, se eu quisesse ter uma atitude maléfica e Pidesca como a membro Marta Moreira teve, de certo agiria de outra forma: bastava enviar um mail à ARES reclamando a paternidade e autoria se não de todo, pelo menos de parte do sistema q serviu de suporte à ideia apresentada ... era motivo mais do q suficiente, para pelo menos ponderarem a hipótese de retirar o 1º prémio atribuído. OK?! Não é o caso, nem é minha intenção fazê-lo!... entendeu?! Não costumo ser mto tolerante à forma pouco educada como selvaticamente dirigem palavras à minha pessoa ... Em momento nenhum referi "tipo" ou "tipa" às pessoas envolvidas, certo! ... Se quiserem baixar o nível, avisem (#2)! Respirem fundo e re-lêm o que escrevi. Fui o primeiro a colocar a hipótese de estarmos perante uma "coincidência intelectual", certo?! ... apenas acho muito estranho, terem acontecido no mesmo espaço territorial e em simultâneo, o q segundo as estatísticas, não acontece todos os dias! A minha proposta é simples e humilde ... sem design gráfico, sem helicóptero, sem enrola -tansos e sem ilusões ópticas ... mas tem essência! ... e é precisamente essa "essência -vs- aparência" q estamos a discutir! Em vez de andarmos aqui a esgrimir acusações e má criações, seria bom e mto mais útil que explicássemos a origem das ideias ... ... o resto é peanults!

Share this post


Link to post
Share on other sites

A única semelhança que vejo entre os dois projectos é apenas a parede de fole. Não sei se sabe, mas o conceito de parede de fole tal, como a parede ou porta de correr, terá surgido, na concepção espacial dos interiores da Arquitectura tradicional Japonesa. Este ideal de arquitectura adaptável foi visivelmente um conceito que se radicalizou com a arquitectura transformável "Metabolism Architecture" nos anos 60. Experimentado e utilizado nas suas múltiplas aplicações e variantes o painel deslizante ou a porta de correr ou fole, encontra o seu ideal moderno da machine á habiter, na Casa Schroder de Gerrit Rietveld. Certamente não foi o refs que inventou este conceito...Deveria informar-se acerca dos conceitos que diz serem seus antes de publicar o que quer que seja. Lamento que a equipa que apresenta aqui o projecto vencedor tenha que se submeter a este tipo de comentários! P.S.É assim que os vencedores são tratados em Portugal!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mas digam-me o porquê desta exaltação quando eu não entendo o que é que o projecto do membro refs tem que ver com o projecto deste tópico?!

Refs: por acaso analisaste este projecto, para além do óbvio? não me parece... pelo facto de nos dois haver um toldo não vamos estar aqui a dizer que são cópias quando na verdade nada têm que ver um com o outro... já parece que chegamos aos estados unidos...



Simplemind: ... apetecia-me dizer-te (com todo o respeito!) "porque não te calas"?!

Mas quem falou de cópias, ou de toldos, ou ainda de exaltação ou de outras coisas mais?!

Estou-me nas tintas para aquilo que te parece ou deixa de aparecer ... não estamos aqui a discutir um “simples toldo”!

Costuma-se dizer: "Quem não sente, não é filho de boa gente!"

Às vezes, "nem sempre o que parece, é!". Para o arranjo exterior do Museu Judaico de Berlim, o Libeskind socorreu-se da imagem de uns míseros vasos de flor de um pobre jardineiro local, como fonte de inspiração ... Por todo o lado onde o Libeskind apresenta essa obra, ele cita a fonte ... pelo respeito e consideração que isso representa para ele, sem ofender ninguém!

portanto, não despreze ideias simples e humildes ... porque os verdadeiros mestres e "estrelas" da arquitectura mundial (como o Libeskind!) não desprezam! Os verdadeiros vedetas são seres simples e sabem respeitar as pessoas e suas virtudes e/ou defeitos, sem desprezo! ... É essa atitude q difere os verdadeiros vedetas dos pseudo-vedetas ...
Crescendo e aprendendo ...

Share this post


Link to post
Share on other sites

A única semelhança que vejo entre os dois projectos é apenas a parede de fole. Não sei se sabe, mas o conceito de parede de fole tal, como a parede ou porta de correr, terá surgido, na concepção espacial dos interiores da Arquitectura tradicional Japonesa.
Este ideal de arquitectura adaptável foi visivelmente um conceito que se radicalizou com a arquitectura transformável "Metabolism Architecture" nos anos 60.
Experimentado e utilizado nas suas múltiplas aplicações e variantes o painel deslizante ou a porta de correr ou fole, encontra o seu ideal moderno da machine á habiter, na Casa Schroder de Gerrit Rietveld.

Certamente não foi o refs que inventou este conceito...Deveria informar-se acerca dos conceitos que diz serem seus antes de publicar o que quer que seja.

Lamento que a equipa que apresenta aqui o projecto vencedor tenha que se submeter a este tipo de comentários!
P.S.É assim que os vencedores são tratados em Portugal!



É essa a atitude mesquinha reinante em Portugal ... ai q coitadinhos! É sempre a mesma ladainha "Não são reconhecidos cá dentro, é preciso ir lá fora, blá blá blá ..."

Epá chega!


Ninguém está a querem deitar ninguém abaixo! Nem é esse o objectivo!

Há com cada teoria! ... valha-me Deus!

Por acaso o João Dias sabe quem inventou a roda? e a porta? e a janela? ... duhhhh!

... essa história da "porta de correr", ou da "parede de fole" não tem por onde pegar ... please!

Há que felicitar uma equipa PT q conseguiu o prémio! óptimo! Fico ainda mais feliz, pq concidência ou não ... usaram o mesmo sitema "harmónico-flexível" q eu ... onde está o problema?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Caro refs... Depois de tanta discussão à volta de uma teoria sem fundamento (a de plágio), agora já pensa que não tem problema o uso "do mesmo sistema harmónico-flexivel" de que fala. Em que é que ficamos? Concerteza que práticamente tudo já foi inventado... Nem você, nem nós (equipa) inventámos o que quer que seja para ambos os concursos! Cada um teve o seu programa específico e por coincidência, tal como diz, intelectual, apareçam semelhanças entre projectos! Se quiser perder algum tempo, pode ver no site do ARES outros projectos vencedores que, por coincidência intelectual, têm parecenças com o nosso! O caso aqui é que ambos somos portugueses? Por favor, não entremos por esses caminhos! Vamos analisar os projectos com olhos de ver e não fiquemos por questões que à partida não têm relevância nenhuma!! Se por ventura quiser comentar o nosso projecto, está à vontade. Este tópico é para isso mesmo! Carina

Share this post


Link to post
Share on other sites

Cara Carina, Se (re)ler bem o meu post, chegará a conclusão q avancei com duas hipóteses: Coincidência, ou na ausência desta, plágio ... Se investigar um pouquinho sobre "coincidência intelectual", chegarão a conclusões estatísticas interessantes ... De qualquer forma, como a minha proposta não obteve nenhum lugar meritório (logo, admito q seja de qualidade "inferior" e portanto, sem interesse nenhum) e o vosso é o tema deste tópico, não querendo ofuscar a qualidade da vossa intervenção, etc, etc ... gostaria, se fosse possível, de saber quais as referência que tiveram para chegarem à formalização do vosso alvitre ... ou seja, a origem e o suporte da ideia ... só isso. Cumprimentos

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest carlos.pedro

Quem foi o primeiro a comprar este livro na Fnac?

Imagem colocada

Talvez agora parem com essa discussão ridicula. Ou talvez não. Irão processar o autor do projecto da capa? Ou quem faça caixas também irá processar outros CAIXEIROS todos? Ou quem utilize paredes de pedra será processado pelo SOUTO MOURA ou quem ponha palas será processado pelo SIZA?

Aqui a única coisa em causa é a frustração de um membro por não ter competido no concursos certo. Acontece várias vezes, e faz parte da profissão. Viver e aprender.

Quanto a isso, apenas um comentário. NEXT!

Share this post


Link to post
Share on other sites

É por causa deste tipo de discussões, agressivas e sem qualquer tipo de decência, que cada vez vou intervindo menos por aqui... Não tarda nada chega o tipo que inventou o vidro a exigir indemnizações pela violação dos direitos de autor. Ou pior... o inventor do ACORDEÃO !! Marta, essa da invocação do artº 11º só pode ser inocência da tua parte. A violação do mesmo é ritual permanente para alguns individuos que se passeiam por aqui. Respeito pelos colegas? AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH...... arquitectos...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não sei se é dos bites ou dos bytes, mas cada vez é mais difícil manter um diálogo aberto e franco, de forma pacífica e ordeira nos fóruns da net ... sem necessidade de agredir ninguém, nem fulanizar as questões ... afinal estamos a discutir ideias, conceitos ... e não pessoas, certo?! Não qualifiquem nem adjectivem as pessoas pelas suas ideias e opiniões q aki deixam. Será q é assim tão difícil?! Ninguém está aki a reclamar a paternidade de nada! Ninguem está aki a tentar re-inventar a roda! Estamos a tentar chegar às origens das ideias ... à forma como essas mesmas ideias surgiram ... simplesmente isso ... sem ofenças, nem intimidações pidescas, sem meter medo a ninguém! Sem ameças levianas de queixa às autoridades competentes e outro quejandos ... :icon13: Toda a gente sabe q andam muitos Sizarianos, Soutos Mouras e Taveiradas por aí ... mas pelo menos sabemos detectar a origem e a inspiração dessas arquitecturas, certo? ... Afinal arquitectura vive de referências e ainda bem q assim é ... :icon14: PS: Não conhecia a imagem do livro apresentado ... Terá sido a referência da equipa vencedora do concurso? (de facto, não podemos negar q existem muitas semelhanças ...)

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest carlos.pedro

Só faltava agora todos se armarem em virgens ofendidas… Não interessa se conhecias o livro ou não, ou se a outra equipe o conhecia ou não. É um facto que com a velocidade a que as imagens correm mundo hoje em dia, temos criativos em lugares distintos do globo -sem conhecimento entre eles- a fazerem coisas semelhantes. As ideias quando passam a estar no ar, pertencem ao mundo. PONTO.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não se podem acusar de "plagiar" conceitos ou ideias, apenas soluções. Além do mais, como sabem que as ideias são vossas? Ou se elas vagueiam por ai e foram captadas pela vossa imaginação? Não estou a brincar: Agostinho da Silva não cobrava direitos de autor exactamente por causa disso, e Fernando Pessoa dizia a mesma coisa

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.