Jump to content
Arquitectura.pt


joaoneves

Material para Maquetes

Recommended Posts

Bristol também é uma excelente solução, com muito bom acabamento, mas mais caro do do que o cartão prensado (há uns anos era). Depois também não me lembro de ver bristol com mais de 1mm, e ainda que haja, penso que mais do que 2mm deve ser muito difícil encontrar. Claro que também depende da escala a que se vai trabalhar e da precisão ao nível da quantidade de curvas de nível.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Para 2mm eu também vou pelo cartão, mas com 5mm talvez prefira o esferovit. Como acabamento pode jogar uma camada de massa corrida, mas atenção ao tempo! Isto leva de 4 a 5 dias para secar. Já fiz assim e gostei do resultado! E João Neves... o prof. deu alguma razão para "não gostar" de cortiça? É algo pessoal? kkk Fiquei curiosa... :-)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ah, esqueci de dizer ainda... sobre reciclagem de material, eu costumo guardar aqueles cartões canelados brancos que vêm nas embalagens de bolachas justamente para isso. Acho um material muito interessante para maquetes, apesar de todo mundo me perguntar "pq vc guarda isso???".

Share this post


Link to post
Share on other sites

Para 2mm eu também vou pelo cartão, mas com 5mm talvez prefira o esferovit. Como acabamento pode jogar uma camada de massa corrida, mas atenção ao tempo! Isto leva de 4 a 5 dias para secar. Já fiz assim e gostei do resultado!
E João Neves... o prof. deu alguma razão para "não gostar" de cortiça? É algo pessoal? kkk
Fiquei curiosa...
:-)



Ele simplesmente não gosta. Porque diz ele, enquanto estudante nunca teve paciência para fazer maquetes bem feitas, mas apreciava quem as fazia.
então, diz ele, é uma forma de ganharmos essa tal "paciência".... enfim ..:tired:

Deve ser mesmo algo pessoal! :D

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tive um professor que o semestre passado me disse que maquetes em triangulação eram mais baratas, facilitavam as incisões e ficavam com ar mais compacto e planificado. Experimentei... agora nao quero outra coisa. e o bom daquilo é que se pode fazer com enumeros materiais

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu já trabalhei com quase tudo o que é mencionado nesta discussão. No 3º ano o prof exigia que as maquetas fossem feitas em PVC, acho que nunca gastei tanto dinheiro em material para maquetas!! e as colas... pfff... caríssimas! Até porque eu não ia aos chineses comprar super cola como os meus colegas faziam (e que comia o PVC todo) eu ia a bela da UHU super cola que sempre me dava margem de manobra para quando me enganasse. Numa das maquetas em PVC, fiz o terreno com curvas de nível a 5 mm e depois de não gostar do acabamento que o tico-tico dava ao PVC, resolvi cortar tudo à x-actada... resultado: 2 dias exclusivamente a cortar curvas de nivel (cerca de 40) e um tubo de reumon gel para os ombros ;) Este ano trabalhei com cartão madeira e cartão canson. Gostei de trabalhar com ambos (ficaram no meu top de materiais) se bem que chateia muito ter que estar a lavar as mãos de 5 em 5 min para o cartão canson ;) o cartão madeira tem o inconveniente de se se quiser fazer alterações na maqueta, introduzindo novos elementos na maqueta antiga, vai se notar uma grande diferença cromática dos cartões utilizados em alturas diferentes. Depois o cartão prensado é uma constante na minha vida académica para as maquetas de estudo (baratucho baratuco)! Além de aquilo pintadinho com tinta spray... hmm...maravilha! :) Materiais à base de esferovites (k-line e esferovite mesmo) não estão na minha lista de preferências... gasta-se muita lâmina e paciência a conseguir cortes perfeitos :p

Share this post


Link to post
Share on other sites

Obrigada!!! è que não estava mesmo a ver o que era, ou seja em vez de cortar curvas de nivel executa-se a modelação como fizes-te nessa maquete! é isso não é? Obrigado

Share this post


Link to post
Share on other sites

Basicamente... O processo de construção desta maqueta passa por fazer uns pontos ou perfis com a cota de vários pontos (os pontos do triangulo) depois é só fazer os triangulos e fica assim com este aspecto sólido. fica muito bem tambem se a modelação for feita por uma placa unica vincada por dentro, fica mais solido. Isto da triangulação facilita muito as incisões. Abraço PS: a maqueta nao é minha (Arx Portugal, Casa de S. Brás)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Realmente o aspecto é muito bom... tenho colegas de curso que usam esse metodo e resulta bem.. ainda assim sem penso que esses terrenos definidos por triangulos nao se poderao aplicar a todas as situaçoes... em alguns casos nao sera a melhor soluçao porque o rigor das cotas nao é o melhor, como num terreno deifinido pelas curvas de nivel. Abraços

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boas. Eu sou ainda sou aluno do 12º ano pelo que não tenho assim grande experiência em maquetes (quase nula), e agora para projecto de ap tenho que fazer uma maquete de uma paisagem num plano inclinado e ainda com uma casa num canto inferior (direito ou esquerdo tanto faz) e gostava que me dessem opiniões sobre como a devo fazer e com que materiais... eu ja estive a ler o tópico, já consegui reter umas ideias mas gostava que me dissesem qual era o material mais apropriado a esta situação e à tecnica dos autores de forma a que a paisagem fosse apelativa... Obrigado Cumps

Share this post


Link to post
Share on other sites

o rigor é aplicado atraves do numero de triangulos e do seu tamanho... quanto maior menos rigor... mas sempre deve ser algum no fim de contas é usado este metodo pelos programas de modelação 3d


Ênfase no rigor...mas parabéns, pela imagem creio que o conseguiste e o resultado final parece-me muito bom. :)

Eu sempre gostei de maquetes de balsa mas reconheço que são mais indicadas para fazes mais finais dos projectos, onde as coisas já estão mais bem definidas.
Para estudos, o esferovite dá muita flexibilidade e o branco tem uma reminiscência da "folha em branco" em que tudo o que façamos é possivel.
Também já experimentei cartão prensado com apontamento de cor, cartão prensado sprayado à cor preta, para o efeito ficou muito bom, nem muito estudo, nem muito final, e gostei do resultado.

No entanto, e para concluir, escolher o material da maquete para se apresentar (que não é a mesma coisa do material que se escolhe da maquete que se usa para estudarmos cotas, volumetrias, etc, ou seja, para uso "interno", próprio), deve ser ponderado juntamente com as características do projecto que queremos transmitir, etc.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sabonetes de Glicerina! O unico inconveniente é mesmo o cheiro que propagas mal entras na sala :) ...mas fica top :O


quais as dimensoes maximas para esses sabões??

....pretendo fazer uma maquete de uma superficie sinuosa. Já tenho algumas possibilidades para a sua execução mas concerteza ha sempre soluções desconhecidas!!!!:)

Share this post


Link to post
Share on other sites

pois... as dimenssões tambem podes ser um inconveninte... tem pouco mais de 2cm de espessura... e as formas ovais tambem condicionam um bocadinho... aí uns 10cm a parte maior! Eu usei para o edificado num maquete 1/500. Serviu bem...

Share this post


Link to post
Share on other sites
Gosto de resultado final em sabão, pelas cores e por ser um pouco translúcida, mas pode ser desastroso, no entanto detesto o cheiro.
E se começarem a enumerar os materiais das maquetas presentes na exposição do Peter Zumthor? com fotos acompanhar. Eu não consigo resolver metade delas.

Share this post


Link to post
Share on other sites

olá ricardo..
mandar lacar uma maqueta de cerca de 1x2m terá aprox um custi de 30-40 euros e fica fantastico


Sabes me dizer onde posso mandar fazer isso?

É que assim quase de certeza que penso seriamente no assunto...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sou de opinião que uma maqueta não deva provocar e desviar a atenção para pormenores insignificantes. O que quero dizer é que a maqueta deverá ter cor neutra de modo que possamos avaliar todos os espaços em causa e detectar-mos com mais facilidade as fragilidades de um projecto. As maquetas utilizadas pela Imobiliárias são um exemplo que um estudante de arquitectura não deverá imitar. As cores, as árvores verdes, os carrinhos, etc, só servem para desviar a nossa atenção do que é essencial. Para mim, na 1ªfase de estudo até serve o cartão canelado dos caixotes. À medida que o projecto vai evoluindo, aumentamos o rigor com outro material como por exemplo o cartão, cartolina bristol, k-line, etc. O material branco, não é bom para tirar fotografias, pois não se percebe a diferença entre planos. Tive vários exemplos desses em que representava as curvas de nível com esferovite e ao fotografar todos os socalcos desapareceram. Na minha opinião, deves ensaiar primeiro e depois mediante o resultado pretendido, avançar em definitivo. Só mais uma coisa, na Esap onde frequentei o curso, o aluno que apresentasse uma maqueta com aqueles adereços que atrás referi, era imediatamente jogada no lixo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá a todos!
Embora seja arquitecta, aquilo que sempre me fascinou foram as maquetes. Desde que acabei o curso que colaboro com vários ateliers de arquitectura. Recentemente tenho vindo também a trabalhar com estudantes de arquitectura dando-lhes tempo para o projecto ficando eu a cargo das maquetes. Concordo com o Pintor quando diz que o essêncial é aquilo que deve ser representado daí o meu trabalho ter duas respostas completamente diferentes de quando trabalho para estudantes e ateliers ou quando a ideia é a venda de um apartamento. Tudo depende de quem vai ver a maquete e o que interessa "vender". deixo aqui o blog para visitarem. http://maquetesdearquitectura.blogspot.com

Share this post


Link to post
Share on other sites
Maquetes Resina
já alguem aqui fez alguma maquete em resina de poliester, epoxi, ou outro tipo de fibra ou resina?
Porque há algum tempo que quero fazer maketes a parecer blocos de acrilico, mas de forma mais economica...
se alguem ja experimentou não seja timido e de umas dicas....
__________________
Ricardo


Experimenta colar papel celofane em placas de acrilico.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.