Jump to content
Arquitectura.pt


3CPO

Tinta da China

Recommended Posts

Depois de alguns minutos de pesquisa consegue-se encontrar uma boa referência à prática da arquitectura de há alguns anos onde o desenho a tinta da china tinha um papel crucial.
Abaixo é visível um dos muitos desenhos apresentados para o Plano de pormenor da zona do Restelo (Lisboa) realizado no atelier de Nuno Teotónio Pereira.
Actualmente ainda existem algumas faculdades que ressaltam este aspecto e sublinham a importância do desenho manual nos primeiros anos do curso.

Os crescentes suportes informáticos, técnicas de fotorealismo e outros tantos tornam os desenhos a tinta da china não mais do que uma boa recordação do passado.
Teremos inevitávelmente a curto prazo um choque entre estes dois suportes, na medida em que se já se pode assistir à "computorização" dos estudantes de arquitectura.

Deixa-se em aberto mais um tema que dá que pensar...

Nuno Teotónio Pereira, Nuno Portas, João Paciência, Pedro Viana Botelho - Restelo - Blocos . Portugal - 1972-1975


http://img167.imageshack.us/img167/6351/aa160qu8.jpgLer mais...

Share this post


Link to post
Share on other sites

O que é que pretendes dizer com isto? Que vais obrigar os teus futuros alunos a perder tempo com trabalhos que não interessam nem ao menino jesus obrigando-os a desenhar com Tinta da China ou apresentar projectos com uma técnica pré-histórica? Será isso?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ficaste na dúvida porque a intenção não é afirmar qualquer opinião...é apenas um tema aberto a discussão... Será interessante continuar com a representação arquitectónica a tinta-da-china no primeiro ano, ou dar formação logo em cad e afins? Gostava de ouvir algumas opiniões...

Share this post


Link to post
Share on other sites

iniciei a minha aprendizagem na cadeira de projecto executando plantas, alçados e afins através do desenho manual, ao invés do desenho assitido por computador! Concordo com este passo primordial. Porque não ter conhecimento de "projectos com uma técnica pré-histórica"...ao menos não se resume ao desenho rigoroso " pixelizado ou bitmatizado" ou o que se quiser! Bem sei que "os tempos mudam" mas, ainda bem que a cadeira de Desenho ainda nao se informatizou, não vá também passar á "pré história"! :)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sem dúvida alguma que o papel do 'Desenho' na arquitectura nunca irá ser substituido pelo computador! Apesar de hoje já começarmos deixar a representação 2D (CAD) para passar a uma represenrtação 3D (Revit, archiCAD...) [Mas, uma proxima geração de espaço na arquitectura já anda aí! a 4ª dimensão!!! e os programas estão a começar de 'saltar cá para fora'...] o desenho não deixa de ser o principal meio de libertar a mente!! Quem se baseia nos pc's para fazer arq, arrisca-se a cair numa arquitectura 'americana' (nem toda), ou seja, uma arquitecura de AutoCAD, onde não há um esforço mental! Apesar de tudo as tecnologias ainda são limitadas, assim como o desenho o é! A utilização das 2 em conjunto e no timing certo, será sem duvida uma ferramenta invejável!! Agora, em termos de representação 'rigorosa' já ninguém vai perder tempo (e dinheiro!!) a realizar projectos a tinta da china. Mas acho que a sua aprendizagem é uma maneira de dar valor aos 'verdadeiros' desenhos de arquitectura! Pessoalmente gosto mais de um desenho á mao que a pc... Mas para quê fazer desenhos a tinta da china, quando eles são feitos no pc, impressos e copiados por cima? Na minha U há uns anos começaram a pedir as matrizes... Enfim...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acima de tudo, o desenho a tinta da china, lápis, ou outro qualquer meio é importante e, atrever-me-ia a dizer, essencial na aprendizagem da arquitectura... Com o desenho assistido por pc perdemos a noção das dimensões, da escala, coisa que não acontece com o papel, seja ele vegetal ou não... É importante numa primeira fase perceber-mos as dimensões e as relações de escala. Na faculdade tive 2 anos de projecto a "r#tring" e não os desperdicei como outros a simplesmente "passar por cima"... sinto mesmo que isso foi importante para mim, no meu processo pessoal de aprendizagem. Aprende-se muito neste tipo de representação, já para não falar da inigualável qualidade do desenho (quando bem feito), bastando para isso ver as mágnificas obras de FLW (os desenhos e as construções)... Essa é a razão do desenho a tinta nos primeiros anos. Dá trabalho, mas os resultados da utilização correcta do sistema de representação, acabam por valer a pena...

Share this post


Link to post
Share on other sites

O computador (CAD) por vezes limita todo um mundo de imaginação e criatividade, é uma barreira criada por um conjunto de Hardware e software...Por vezes há um bloqueio perante todo um mundo impossível de alcançar fisicamente. É facto que o papel, a "caneta" e a dita TINTA DA CHINA são sem dúvida o melhor "execício da mente". Agora um Comentário breve "Tentem desenvolver um projecto (quando digo projecto refiro-me a simples criações, desenhos, animações etc. Eu não posso falar sobre projecto de arquitectura como um "verdadeiro Arquitecto" pois, ingressei agora no curso.) começando a desenvolver esse mesmo projecto directamente no computador!!! Não é a mesma coisa, temos de partir de um esboço, de uma ideia. O computador apenas executa de uma forma simples e eficaz, projectos da mais alta qualidade. No entanto penso que será errado considerar ARTE projectos realizados neste tipo de suporte! Torna-se forma de arte alguns dos esboços que fazemos umas vezes ao "calhas", metaforicamente, dá-se a volta à imaginação na esperança de "estacionar no caos" da mente! Talvez daqui a uns anos este realidade se torne numa forma de Arte... Abraços

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tal como ainda aprendemos calculo manual, mesmo utilizando a calculadora para os mais diversos cálculos, tem de haver uma pratica manual q.b. no desenho em Arquitectura... principalmente na idealização do mesmo.. eu faço, nomeadamente as plantas, todas a mao antes de ir po computador. Claro que nao me perco com promonores nem perfecionalismos, mas não faço como muitos que pegam logo no computador.... Dou-me bem assim :s

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu sirvo-me do esboço como ferramenta de projecto, porque no início "perco" sempre algum tempo a desenhar à mão plantas, pormenores interessantes, perspectivas, etc... Mas o desenho a tinta da china (no sentido de desenho rigoroso à mão) é muito mais do que isso, porque só aí percebemos e ganhamos a tarimba no que às dimensões das coisas diz respeito... O que é que adianta seres um grande arquitecto (teoria) se não tens noção da escala?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Realmente o uso da técnica de desenho de perspectivas com tinta da china, ou tinta Nankin, que é como chamamos cá no Brasil, é importante para a formação de todo arquitecto. No primeiro ano de minha faculdade o uso da técnica de desenho a mão foi a única permitida inclusive nas matérias de projeto, e ainda hoje é pedida pelos professores. O arquiteto é um artista e deve dominar a técnica. para desenvolver o projeto um exame de manchas, rabiscos, sketchs.. são processos importantes no desenvolvimento de um bom projeto.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Axo importante a passagem dos desenhos no 1o ano a tinta da china. axo k é preciso primeiro saber fazer á mão pra s compreender a expressão a dar ao desenho, nomeadamente as espessuras das linhas. a partir daqui é mais simples passar para o computador...primeiro o esquisso, depois o 3d final, é como uma evolução!!!abraços

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu não concordo em utilizar tinta da china para fazer plantas , cortes etc. Muito bem que um aluno do 1 ano tenha que aprender dar expressão ao desenho , mas agora obrigarem na entrega final passar tudo a tinta da china , acho que não. Os computadores é que são a evolução dos nossos tempos , a tinha da china é da idade da pedra , apesar que eu acho que fica mais intressante assim os projectos mas não justifica o trabalho que se tem.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O que acontece é que te vais preocupar com o AutoCAD porque nao sabes fazer a Linha ou a espessura em vez de te preocupares com o básico, que neste caso é trabalhar o espaço... No primeiro ano deve haver uma maior preocupação com o "ABC" da arquitectura...e não com técnicas sofisticadas de representação ou desenho técnico...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Woodward, não sei se já fizeste, se não experimenta fazer um desenho rigoroso à lapiseira (não as de minas 0,5mm) e vê se consegues dar uma expressão uniforme... Há grande exemplos de desenhos rigorosos a lápis, com aguarelas, mas é muito dificil controlar esta técnica... Na minha opinião leva muito mais tempo a aprender e controlar a lapiseira do que a r#tring...

Share this post


Link to post
Share on other sites

muito verdade André Moraes. Escolas a mais, arquitectos a mais, logo, desemprego na classe :) mas também se fosse só na nossa classe que houvesse desemprego bem ia o país. De qualquer maneira, se não estou em erro, existem prai 22 ou 23 escolas no país que, como saberás, tem cerca de 18 vezes menos população que o Brasil.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quanto a mim a questão não se põe na quantidade de escolas e arquitectos formados nos últimos anos, se bem que a tendência não anteveja um grande futuro... Contudo acredito que se cá o país fosse "verdadeiro", onde fossem realmente os arquitectos a projectar... o mercado seria capaz de absorver todos os arquitectos e ainda sobrariam vagas para os próximos anos... São patos bravos a aproveitarem-se... São os clientes que não confiam nem acreditam nas vantagens de um arquitecto...

Share this post


Link to post
Share on other sites

aqui acontece coisa parecida... uma grande fatia do mercado (para o arquiteto que quer ganhar dinheiro) são as pessoas de classe média baixa que não contratam arquitetos por que tem o pré-conceito de achar que é luxo que não podem pagar. Alguns conhecidos estão explorando esse mercado e se dando bem, vendendo projetos simples, bonitos, funcionais e baratos para que o cidadão cumpra o seu dever de construir dentro da lei com a legalização da obra. quantidade com boa qualidade a preços módicos. Aqui na minha cidade existem os que são formados em desenho técnico que fazem projetos de casas de 1 pavimento e cobram 2 reais o metro.. enquanto arquitetos cobram 12. mas isso seria assunto para outro tópico..

Share this post


Link to post
Share on other sites

voltando ao tópico... desenho técnico sim, à mao sim, (pelo menos 1º e 1º semestre do 2º ano), mas tinta da china... não obrigado. Sou plenamente a favor do lápis, da lapiseira, do carvão... eventualmente da aguarela monocromática... agora tinta-da china, isso era trabalho para desenhador passar a limpo. O lápis permite apurar a técnica de representação, explorar o desenho técnico até aos limites. O lápis destina-se à concepção. Depois do aluno aprender a dominar os media, aí sim deve passar essa experiência acumulada, o saber para o suporte informático. O desenho manual, permite apreender outra coisa, a escala.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.