Jump to content
Arquitectura.pt


Recommended Posts

O ponto a quer queres chegar é simples e não é nada de novo, o que seria interessante era perceber o que é que propõens para se mudar isso.


Ora ai eh que sao elas... na minha opiniao soh te poderei responder quando tiver pelo menos 5 anos ou mais de obra feita e uns 10 anos de experiencia profissional... nessa altura respondo-te...:p

Porque na realidade tudo isto eh muito bonito mas existem custos. O modernismo foi aceite porque eh um movimento de baixos custos e a arte ficou muito dependente da economia e vice-versa... a questao estah como dar a volta a este casamento vicioso. O casamento entre o Capital e a Arte.

Estes dois conceitos estao intimamente ligados ao pensamento marxista que teve uma grande influencia no seculo XX... a questao esta em reverter esta relacao com outro pensamento mais livre "enganando" os Produtores da Arte...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá.
Nao posso dizer que nao aprecio a arquitectura moderna. Assim como já alguém disse, transmite-me um grande valor efémero... Não só a arquitectura, mas principalmente a musica que consegue, por vezes, ultrapassar o limite do ridiculo, na medida em que o talento pouco ou nada interessa... a sociedade moderna valoriza muito mais a visão do que o sentimento. Os videoclips com mais mulheres bonitas, com cores mais chamativas, etc, são sempre aqueles que cativam mais as pessoas. Parece-me a mim que o conceito de belo está prestes a mudar... Hoje, acha-se bonito um corpo bronzeado mas, com todos os problemas que este pode implicar, é possível que se comece a desvalorizar esse aspecto.. A não ser que a nossa sociedade goste de viver ao limite!!
Existem edificios moderos que me dizem obviamente alguma coisa... Mas o simbolimo de outrora jamais será captado com paredes brancas, lisas, sem ornamento, sem qualquer valor espiritual... Mas tudo isto é um reflexo da sociedade e penso que os arquitectos devem continuar a retratar as pessoas nos edifícios.

Olá!

de entre todas as opiniões a tua é interessante porque foca vários assuntos como o simbolismo, o belo (conceito muito complicado de definir hoje em dia nas artes, incluíndo a Arquitectura) a visão relacionada com os sentimentos.
Ok, tens de considerar aqui várias coisas:
1º que tudo temos uma questão de tempo; a antiguidade e a actualidade - os tempos do "tempo" (passo o pleonasmo) sugerem mudança, evolução e regressão (nalguns aspectos).
2ª o teu modo de ver o mundo ou a realidade que como tu sabes é distinto para cada um de nós; e não interessa se está correcta ou errada - é a tua "visão", acompanhada dos teus valores, principios,cultura, pessoas e do ambiente que te rodeia.
3º a definição de belo nos dias de hoje é dificil de definir porque como alguém disse no blogue e bem, a peça artistica tem a ver sobretudo com o próprio autor - ele(a) podem não procurar o belo, depende dos motivos que tenham - podem ser provocadores, suscéptiveis de gerar nas pessoas que observam o seu trabalho uma emoção como o quadro do Pintor Munk- "O grito" cuja interpretação vai muito além das pinceladas porque o situa mais num contexto social.
No que concerne á Arquitectura feita hoje em dia, existem vários elos comuns com a antiguidade clássica: para te citar duas delas tens a harmonia e a proporção á escala do homem - pelo menos nestes dois aspectos , tanto a Sagrada Familia de Gaudi (por exemplo) como o Pavilhão de Portugal do Siza os podes encontrar, apesar de corresponderem a tempos e estilos arquitectónicos diferentes.
4º Não te preocupes com a moda - isso é como ir atrás da "carneirada" - vê e segue em frente!
5º Forma e fundamenta a tua opinião mas não deixes de escutar os outros.

Espero ter contribuido de alguma forma para te por a pensar sobre estes temas.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Apenas um reparo: o edifício da Bauhaus do Gropius é já material histórico (não é preciso esperar 1000 anos), e o seu valor, a sua aceitação, ou não, por parte do público, é algo que ultrapassa naturalmente a vontade do Gropius. Vivemos uma época de ilusão: o corajoso projecto de recriação da torre medieval ao pé da Sé do Porto, do arq. Fernando Távora, de granito, assim granito mesmo, tem apenas 2cm de cada lado da parede - o interior é oco. Também o Museu de Santiago, de Siza Vieira, recorre ao mesmo - aliás, foi um sacrifício para conseguir fazer a pedra de canto oca, sem revelar o sistema... Enfim, o que é verdade é que nem aos antigos, nem a estes dois, se pode acusar de não estarem em sintonia com a sua época! Talvez seja isso o mais importante

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sinceramente acho que estamos a ser um bocado retrogados... Voua tirar mais uma acha (ponto de vista) prá fogueira (discussão). Já olharam para a arquitectura de hoje pondo-se na pele de um arqueologo do ano 3000 d.c.? O que ficará ele a pensar ao ver por exemplo uma casa contruida em 1950 numa aldeia portuguesa qualquer. E ao lado uma casa identica em forma exterior (para não modificar a paisagem segundo alguns municipios) mas em melhor estado pois esta foi construida por volta do ano 2008... Ele só pensará em duas respostas para casas iguais. 1- São casas da mesma época, mas uma está mais degradada. 2- Estas pessoas não evoluíram. Será assim... Por isso não podemos cair no erro de fazer igual ao passado, mas tambem não podemos cair no erro de perder o simbolismo. Só tenho pena de haver localidades neste pais onde se pague multa por não ter um telhado com telhas cerâmicas LARANJA, porque uma estrutura de betão armado sem inclinação visivel não se integra numa paisagem VERDE e CINZA! Reflicto sobre isto e torno a reflectir... não chego a lado nenhum...

Share this post


Link to post
Share on other sites

"Mas o simbolimo de outrora jamais será captado com paredes brancas, lisas, sem ornamento, sem qualquer valor espiritual... " (AnaS)


O Uso da palavra "jamais" não deve nunca ser usado desta forma penso eu... Pessoalmente só uso este tipo de palavras, que simbolizam "dogmas" quando se trata mesmo de um dogma... e esses só foram criados pelos grandes mestres da arquitectura. Acho corajoso o uso da palavra. E desde já afirmo que não concordo, passando a justificar-me:

- Existem infinitas tonalidades e elas formam infinitas cores, já vi que estás em artes por isso sabes o que o acontece assim que misturas todas as cores, quentes e frias... Chegas ao PRETO a cor #0000. Que representa, trevas, sombras, mas acima de tudo, constraste...

- ...contraste com o BRANCO , aquela cor que se obtem através da mistura das cores primárias. A cor mãe... aquela que não tem numero, aquela que não é cor, e quando é referenciada é só pelo nome. Acho descrepante, o facto de assumires como base que a cor branca, não tem valor espiritual. Penso que não há algo que impressione mais o ser humano que o branco pois o branco representa nada e o nada é vazio. E Citando Álvaro Siza termino!

"Por vezes o projectista deixa-se arrastar pelo horror ao vazio e cai num processo de complexidade crescente em vez de simplificar." (A.Siza)

Share this post


Link to post
Share on other sites

o interior é oco.


:D

Nao digo mais nada.
Mas provavelmente a arquitectura contemporanea vive precisamente dos vazios... o vazio eh acima de tudo a materialidade da arquitectura dos dias hoje... estou a ser precipitado no meu raciocinio nao se atirem que nem lobo para cima desta minha ligeira conclusao...>:(

Share this post


Link to post
Share on other sites

2- Estas pessoas não evoluíram.


NUNO!!!

Mas o que eh estas a querer insinuar? Que sempre se fez tudo diferente ao longo da arquitectura ocidental durantes estes seculos todos desde a Antiguidade Classica?

Estas a querer dizer que uma casa desenhada na Quinta do Lago segundo a Casa Portuguesa de Raul Lino eh semelhante a uma casa desenhada na Av. Gago Coutinho dos anos 50? Como tambem eh semelhante as casas no qual o Raul Lino se baseou para esrever o livro A Casa Portuguesa?

Os romanos por exemplo copiaram a arquitectura grega e a arquitectura etrusca e interfundiram-nas com os edificios que eles precisavam para o quotidiano.

Vieram os barbaros, tornaram-se Cristaos. Depois duns seculos uns quantos reis quiseram renascer Roma e tentaram copiar a arquitectura romana para se sentirem civilizados. E dai a arquitectura evoluiu para o Gotico Tardio.

Os florentinos na ansia de restauraram a custura classica foram novamente buscar as formas da arquitectura classica ateh ao seculo XIX quando surgiu a revolucao industrial com novos materiais.

Ai uns quantos arquitectos comecaram a investigar os materiais e viram que seria mais compensadore usar o aco e o betao para os novos desafios da epoca e ai surgia o Modernismo. O Modernismo acabava por ser o substituto do Classicismo. Era uma Nova Era.

E vivemos no Modernismo. E actualmente vivemos na tentiva de conjugar a arquitectura com a engenharia e na expectativa de criar coisas novas... mas nesta expectativa criamos simplesmente o Modernismo Tardio... a transicao estarah para breve... dentro de 5 a 100 anos... ou talvez 1000 anos... quicah.

Quando tu dizes que estes povos nao evoluiram esqueces-te que o Partenon era visto como sendo obra de romanos e nao de gregos pois como tu os arqueologos da altura pensavam que antes de Roma nao existia gregos. E agora veio-se a descobrir que muita das coisas que pensavamos ser de Roma era afinal dos Etruscos.

Sabe-se lah se o nosso mundo irah sobreviver... como por exemplo a Atlantida. Todos dizem ter existido... todos desde os gregos aos incas... desapareceu depois dum cataclismo...:D

Share this post


Link to post
Share on other sites

O branco eh util para uma coisa. Para reflectir o raios solares deixando o interior das casas mais frescas. O branco devia ser pintado com Cal e nao com tinta pois a cal eh repelente de mosquitos outra funcao do branco enquanto material de construcao. E por estas razoes acredito que o branco nao deve ser encarado como cor.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A cor Branca ou simplesmente o Branco é a junção de todas as cores do espectro de cores. É definida como "a cor da luz", em cores-luz, ou como "a ausência de cor", em cores-pigmento. É a cor que reflete todos os raios luminosos, não absorvendo nenhum e por isso aparecendo como clareza máxima.
O branco é a cor do fundo desta página. Código HTML para a cor branca pura #FFFFFF.

Usos Simbólicos do Branco
A cor branca está associada a paz, calma, ordem, limpeza e outras conotações positivas, na cultura ocidental. O mesmo não acontece em algumas culturas orientais, nas quais o branco é a cor do luto.

Branco— Coordenadas da cor —Trip. Hex##FFFFFFRGB( 255, 255, 255 )CMYK( 0, 0, 0, 0 )HSV( 0, 0, 100 %)


in wikipedia

Tens razao.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Exactamente:) juntando todos os raios luminosos obtém-se o branco, enquanto que a ausência de raios luminosos é o preto (sendo as cores primárias aqui o Vermelho, Verde e Azul). Se considerarmos as cores de pigmento aí as primárias são o amarelo, azul cyan e magenta (como toda a gente sabe :D) e a soma de todas as cores resulta no preto enquanto que a ausência de todas as cores é branco. Eu ainda não tenho opinião formada acerca de o branco ou preto serem cor ou não, mas não há como separá-los...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quando tu dizes que estes povos nao evoluiram


Eu nunca disse isso.. LOL!!! Houve aqui um mal-entendido JVS
Eu só disse que em Portugal temos muita gente que tem medo de evoluir, mas n são os arquitectos. São os outros. e isso nota-se na arquitectura.
Agora nunca falei em povos antigos, os romanos copiaram os gregos, mas isso percebeu-se, pois copiaram mal.
Ou copiaram mal de propósito?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mas voltando ao branco... eu só peguei no branco para explicar à AnaS que o branco é uma cor cheia de simbolismo. Mas uma coisa é certa, consegue-se imaginar luz com branco, mas não com preto. portanto algo tem que ter de especial.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Não acho essa comparação lá muito justa, porque quer a construção popular, quer a arquitectura erudita da antiguidade, são um corpo de técnicas e conhecimentos que passavam lentamente de geração em geração, e poucos se arriscavam a exprimentar outra coisa. O "artista" não tinha muito grau de liberdade, mas tb menos probabilidade de fazer asneira!! Nem sequer falamos de autores, porque as obras são do colectivo. Dai que o grau de qualidade média da produção geral era muito boa. As escolas eram absolutamente rígidas, etc.
Hoje aclamamos à liberdade individual, ao exprimentalismo, há uma obsessão pela originalidade, em consequência, é só abortos por todo lado. As obras de elevada qualidade existem, mas são uma num milhão.
Mas a verdade é que ninguém quer voltar o tempo atrás...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Penso que estes pensamentos de mudança sobre a que levarão os rumos da sociedade contemporânea passam por toda a gente. Uns mais que outros é certo. Penso que a opinião do Joaopedrosilva da sua aceitação pela efemeridade perde-se um pouco pela não compreensão da importância da nossa identidade. E a nossa identidade é mais do que vem bo B.I. e mais do que a nossa casinha. Não deveremos venerar tudo o que foi feito para trás, mas devemos respeitar como circunstância. E quando dizes que temos uma noçao mais comercial, penseo que é perigoso usar essa expressão pela sua ambiguidade. Quererias dizer que temos uma perspectiva económica da evolução da sociedade. E é bem mais verdade que a própria efemeridade das coisas que quer queiramos ou não, quer tenhamos diferentes opiniões é conduzida pela economia que gere a evolução. Arquitectura é isto, é tudo... Projectar é ter em conta todos estes elementos e respeitar a identidade do espaço, a nossa identidade, senão perdemos tudo o que foi feito para trás e esquecemo-nos de quem somos.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Acho que não percebeste bem o que eu disse... Volta atrás e pensa bem. Eu referi-me ao facto de antigamente os edifícios serem feitos para durar séculos. Hoje 50 anos é muito tempo. Nunca neguei a aceitação da circunstancia no desenvolvimento do projecto, muito pelo contrário! Penso que devemos aceitar a efemeridade das construções contemporaneas porque não faz sentido construir hoje um templo para durar o mesmo que uma igreja romanica. O Homem evolui a um ritmo elevadissimo, o tempo de construção é curtissimo em comparação com esses monumentos, porquê que deveriamos construir para durar 500anos?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.