Jump to content
Arquitectura.pt


3CPO

[Projecto] Casa em Santa Cruz, Tomar _ Inês Cortesão

Recommended Posts

Inês Cortesão
Casa em Santa Cruz, Tomar . 2007

Uma casa e uma garagem são propostas num terreno que tem a particularidade de ser longo e estreito, tendo uma área de 5.080 m2 e uma frente de rua com apenas 12m.
Com base nas condicionantes desta configuração, optou-se por traduzir o sentido de longitudinalidade do terreno na casa.

Os limites laterais da construção foram definidos pelos afastamentos aos limites do terreno – 1.5m no ponto cardeal norte, dado os respectivos espaços no interior serem exclusivamente de circulação, e 3.00m no ponto cardeal sul, determinados pela necessária abertura de janelas.
É a implantação destes dois muros, paralelos entre si, que funciona como ponto de partida, sublinhando o conceito global.

O interior da casa surge como conteúdo autónomo, delimitado pelos muros, e no qual é acentuado o mesmo sentido de longitudinalidade – através dos espaços de circulação que desenham enfiamentos visuais do exterior: norte-sul, nascente-poente.
Nos espaços funcionais este sentido é contudo preterido, em favor de uma necessária centralidade de uso – tratam-se de espaços amplos e abertos ao exterior, através do rasgamento dos muros, permitindo a entrada de luz.
O piso 0 integra a sala, o escritório, e o contentor de serviços: cozinha, dispensa/lavandaria e instalação sanitária.

No piso superior, através da introdução de páteos, a paisagem é substituída pela vista do céu, eleita por oposição à vista de um parque de estacionamento saturado em dias de festa.
São desta forma os páteos que proporcionam o prolongamento ao exterior dos quartos e das instalações sanitárias.

Procurou-se que a casa se integrasse na escala rural que define o local, sendo assim legitimado o desenho dos alçados, que oculta a imediata percepção da existência de dois pisos.
Num mesmo sentido, optou-se pela construção dos muros em tijolo cerâmico vermelho, a matéria recorrente nos telhados que caracterizam as construções circundantes.
No alçado virado à rua, enterrados no prado verde, evidenciam-se os muros vermelhos – entre os quais um plano de vidro, que corresponde aos dois pisos, oculta a casa enquanto conteúdo e contribui para a acentuação do carácter autónomo dos muros.

A garagem, definindo-se também como um conteúdo, é construída num plano próximo da rua, enterrada, e acusando um terraço na cobertura que recupera a memória de uma eira – que forrada a tijoleira cerâmica vermelha poderia ser, conceptualmente, uma indicação de uma base de assentamento da casa que atrás se desenvolve.

A casa é implantada mais adiante, afastando-se dos ruídos da rua, já no início da pendente que se desenvolve no terreno e que se reflecte no interior através do aumento do pé direito na sala.
De forma quase ausente, a garagem não compromete o protagonismo da casa no terreno.

Ficha Técnica
Cliente: Sílvia Jácome Mendes e António Miguel dos Santos Antunes
Localização: Santa Cruz . Tomar
Arquitectura: Inês Cortesão (co-autoria com Margarida Brito Alves)
Data: Novembro de 2007
Área Total: 250 m2
Engenharia: Engº Rui Dias

Agredecemos a colaboração da Arqª Inês Cortesão.

Share this post


Link to post
Share on other sites

curioso....fui a um casamento....numa quinta perto de tomar...apeteceu-me passear para fazer a digestão...uma casa em construção chamou-me a atenção...o lote era estreito.. a casa de tijolo, pequena e esguia...entrei..e gostei... e não é que agora a encontro aqui....

Share this post


Link to post
Share on other sites

quando perguntei quem escreveu o texto, fi-lo porque, claro não sendo este o separador ideal para o fazer, gostaria de lançar uma discussão sobre a crítica da arquitectura contemporanea, mais precisamente, a maneira como se vangloriza um projecto numa revista de arquitectura em portugal é que o projecto está interessante, disso não tenho dúvidas, nem quero entrar por aí o que me espanta um pouco, é a maneira como se escreve sobre uma obra, que ao ser apenas mais uma boa, ou muito boa, peça de arquitectura portuguesa, merece um tremendo destaque ao nível do conceito e materialidade. tenta-se vender demasiado o peixe sobre determinada obra, que não é mais do que uma casa, bem feita, que não tem nada de especial...está só bem feita com as leias da arquitectura que todos conhecemos e não merece uma critica tão fantasiosa quanto, a que por exemplo, neste caso, vejo expressa foi só um desabafo que pode ser desenvolvido noutro separador.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.