Jump to content
Arquitectura.pt


ramon

todos os auditorios são feitos para o sec. XIX

Recommended Posts

è um pena os arquitectos pensarem que a acustica deve ser servida pela forma.Os auditorios já não têem eventos e espetaculos acusticos. è uma pena que se pense que a tecnologia é invisivel e por isso não precisa de espaço. è uma pena ter que concorrer a concursos de equipamento audio visual em edificios extremamente anacronicos e nada contemporaneos. é uma pena que os nossos arquitectos sejam conservadores nos processos e nas soluções.

Share this post


Link to post
Share on other sites

o que há que mudar? Mas em relaçao à acustica, ela existe sempre mesmo que seja amplificada... e se estivermos a falar de orquestras clássicas a acústica é tudo! há numerosos exemplos disso onde só se tocam determinados temas em determinadas salas pois a tonalidade só funciona aí...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não me passa pela cabeça ensinar,estou a tentar partilhar.Ensinar ,ensino Som quando posso.A acustica hoje em dia é uma infima parte da questão.As pessoas perdem a audição muito mais cedo.Os auditorios são feitos pensando nas orquestas para musica classica o que é uma maneira de fugir ao problema,pois os conteudos programaticos das salas de espetaculo não englobam musica classica.Provavelmente só na inauguração.Gostava de não ter de equipar multiusos mal pensados.Dos 10 auditorios/Teatros inaugurados nos ultimos 3 anos poucos ou nenhuns foram pensados para os equipamentos tecnologicos actuais.Talvez o Teatro Azul em Almada e mesmo esse...basta ver os auditorios englobados na Arteemrede. Estou a tentar perceber se é uma questão de formação ou se é falta de informação por parte do promotor ao criar os cadernos de encargos. Obrigado pela atenção prestada.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não é uma questão de falta de formação dos arquitectos ou engenheiros mas sim a falta de cooperação das especialidades. PS: A Casa da Música funciona acústicamente? :)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não é uma questão de falta de formação dos arquitectos ou engenheiros mas sim a falta de cooperação das especialidades.


Claramente.
Ate mesmo os que não são muitos especialistas na materia, sabe que as salas de espetactulo devem ter uma construção adquado para o que la se ira realizar, tendo em conta que devera estar preparado para não se precisar de sistema de som.

Claro que hoje em dia, ate mesmo no teatro se usa sistema de som. Acredito que perante novas tecnologias, não se esteja a aplicar correctamente o sistema de som. Conheço certas situações que os tecnicos tiverem de fazer um grande esforço para poder aplicar o sistema sonoro, pois nos locais onde deveriam ficar esta lampadas ou o ar condicionado.
Agora, se me perguntarem, onde estava a planta do sistema sonoro, simplesmente posso dizer que não havia e os tecnicos do som, so apareceram na fase final da obra.

Acho que a mentalidade devera ser adaptada tanto para os arquitectos, como para os engenheiros sonoros. Os arquitectos, porque na sua equipa muitas vezes não tem um tecnico de som e os tecnicos de som, por não fazerem "presão" para fazer parte integrante do projecto.
Pois em muitos casos não é a construção em si que esta mal... mas sim a sua "organização" a nivel dos equipamentos.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Um auditório deve ser concebido de acordo com o tipo de música que se vai realizar neste. Compreendo que essa exigência seja um pouco uma utopia tendo em conta que cada vez mais os auditórios são espaços para multi-funções e embora seja possivel construir um auditório com essas características este tem sempre as devidas limitações, já para nao falar do custo acrescido da obra. . Os piores auditórios que vi são geralmente os pequenos auditórios (municipais) onde parece que a especialidade da Acústica foi posta completamente de lado. O mesmo acontece em algumas Igrejas modernas cheias de superficies reflectoras onde a percepção da fala é impossível, tornando até os sistemas de amplifcação direccionais completamete inúteis Nao me parece a mim que haja uma falta de cooperação entre especialidades: parece-me que ou a especialidade da Acústica é feito pelo proprio arquitecto ou alguem sem formação na área ou então esta é feita por alguem com formação mas na execução da obra leva com o tipico "corte" nos materiais. A questão da instalação de equipamento audio poderá nao ter a ver com a acustica do espaço mas apenas com a forma como o próprio espaço é gerido (onde deveriam estar as colunas está outra coisa qualquer, impossibilidade de colocar as colunas no espaço etc etc...) A Casa da Música funciona acusticamente? Funciona para o tipo de música que nela se devia praticar

Share this post


Link to post
Share on other sites

A questao do tecnico de acustica realmente nao existe, e os auditorios que sao feitos agora, ou teem o bom censo por parte do projectista que contrata um tecnico para o ajudar a fazer esse trabalho, ou nos casos dos exemplos dakeles auditorios mais manhosos, tems no fim alguem a espetar sarapilheira ou cortiça nas paredes, emfim...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Existem dois trabalhos distintos: um do eng. acustico que rectifica ou verifica o projecto a nivel da acústica de espaços e outro a nivel da sonorização do espaço, onde o eng. acustico deverá escolher qual o tipo de colunas a usar e onde as colocar no espaço mas igualmente na minha opiniao contactar uma empresa especialista a nivel de instalações sonoras para debater questões que muitas vezes não estão no ambito da acústica mas mais a nivel da distribuição de sinal e que por vezes o eng. acustico pode não estar totalmente a par para situações mais complexas.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.