Jump to content
Arquitectura.pt


Connecty

Inhabitat - Jardins verticais de Patrick Blanc

Recommended Posts

Imagem colocada

PATRICK BLANC’S VERTICAL GARDENS - Mon, 15 Jan 2007 16:00:20 +0000

Imagem colocada

Vertical Wall on Jean Nouvel’s Musée du quai Branly
Plants have found a home on walls for centuries, but are sometimes incongruous with architecture, often breaking down the structural integrity of a building’s facade. Patrick Blanc’s Vertical Garden System, known as Le Mur Vegetal in French, allows both plants and buildings to live in harmony with one another. The botanist cum vertical landscape designer is probably best know for his gorgeous living wall on the Musée du Quai Branly in Paris (shown above). But Blanc’s Vertical Garden System can be implemented anywhere: indoors or out and in any climatic environment.

Imagem colocada Ler artigo...

Share this post


Link to post
Share on other sites

As plataformas deselvolvidas por este senhor sustenta o solo, a água e outros minerais para que elas possam crescer sem necessitar de ajuda humana, além disso devem ser espécies que se adaptam bem na vertical. Parecem ter um bom uso para os edificios, segundo o site: - Melhora o aspecto do edificio e pode ser usado interiormente - Melhorar a qualidade do ar. - Baixa os consumos de energia. - E providencia um escudo natural para o edificio contra o tempo e outros. E um contacto com a natureza e os animais :)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Absolutamente discutível... e quanto a ser utilizado interiormente... quero ver isso realmente a ser aplicado...


Não sou eu que digo, é o site. Para veres exemplos interiores visita os links.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest carlos.pedro

Acho que uma simples pesquisa na Wikipedia -Vertical Garden e Urban Forestry- pode esclarecer sobre o assunto.

Encontro a possibilidade de integrar vegetaçao com arquitectura um aspecto inovador -apesar de nao ser nada novo- e fantastico no desenho de edificios como Edouard François e Duncan Lewis tem feito constantemente nos seus projectos. Confesso que sou um pouco suspeito pois desenhei um Silo Automovel para Alfama com fachada vegetal, onde chegamos a fazer o projecto base consultando empresas especializadas e desenhando um sistema de baixo consumo de agua e fàcil manutençao, mas depois, por problemas politicos alheios ao projecto fomos afastados do processo e acabou por ser feito um edificio "normal". Nao duvido que um pouco de verde, mesmo que vertical, no centro de Lisboa seria uma significativa melhoria na qualidade do espaço urbano e consequente na qualidade e vida dos seus moradores.

Se habitamos no campo, ou pelo menos na faixa periferica que faz a transiçao entre o rural (ou neo-rural) e o urbano, estamos habituados a aceitar estes bicharocos á janela, osgas, minhocas e cobras ou até o jardim todo seco. Nao duvido que um jardim tradicional seja uma soluçao mais "normal", mas todos achamos fantàstico quando visitamos centros històricos -e estou a lembrar-me por exemplo de Sintra- que tem uma sèrie de edificios com as fachadas cobertas por plantas trepadeiras, extremamente viçosas e com manutençao Zero e que damos como garantidas pois existem ai "desde sempre".

Porque nao podemos aprender com a natureza e com a història? Alguem duvida que um espaço assim seja extremamente agradavel? Esses bicharocos que voces falam podem ser e sao auto-controlados por uma avi-fauna que ja existente nas cidades de todo o mundo alèm da capacidade de podermos utilizar a vegetaçao como instrumento de controle ambiental, pois devido à transpiraçao vegetal, podemos baixar a temperatura envolvente de modo perceptivel.

Alguns links interessantes...
Habitat(s) - L'Observatoire de l'Habitat
http://www.transit-city.com/.../precedentes/jardins/
Habitats: Cities and Suburbs
http://www.pbs.org/wnet/nature/wildside/
"Green-Based" Urban Growth: Next Wave of Environmentalism
http://news.nationalgeographic.com/news/2002/04/0422_020422_landplan.html

ps: desculpem os acentos..estou num teclado italiano...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se habitamos no campo, ou pelo menos na faixa periferica que faz a transiçao entre o rural (ou neo-rural) e o urbano, estamos habituados a aceitar estes bicharocos á janela, osgas, minhocas e cobras ou até o jardim todo seco.


Eu vivo no campo e sabes como se aceitam estes bicharocos que falas de um modo tão efusivo, primeiro esmagas-lhes a cabeça até ficarem 'bem esticadinhos' e para que não haja duvida que já estão mortos, corta.lhes a cabeça. Depois podes deitar os restos para o quintal do vizinho 'ranhoso' ou entao queima.lo ;)
Para mim esta utilização do 'verde' na arquitectura quanto a mim é ainda um pouco ridicula, talvez por sentir a falta de urbanidade, mas acho estas intervenções demasiados 'pequenas', daí se tornarem ridiculas (como por exemplo um jardinzinho na varanda), para a extrema importancia destes espaços existirem nas 'cidades'.
E depois porque a falta destes espaços 'verdadeiros' (e não imitação) não te levam ao tal convivio amigável que poderás ter num verdaeiro ambiente rural tais como acordar a meio da noite com uma bela centopeia (lacraia) no peito, uns ratos em casa, o belo do aranhão na cabeceira logo ao acordar :p Daí ficar surpreendido com chamar 'Natureza' a este tipo de soluções artificiais :)

Uma questão que coloco (já que não tenho experiencia de morar numa cidade como lisboa ou porto) não acham que esta parte da população não explora estes espaços como o fazem no estrangeiro? Refiro-me em concreto á realidade francesa! Será por termos bastante zona costeira que os nossos jardins não tenham um 'ambiente de praia'? Falta de segurança?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Na minha opinião o que realmente faz falta às cidades, não rurais, é a existência de jardins ou parques naturais integrados com a própria cidade (não um canteiro cercado por um muro, como o Central Park). Não me refiro a espetar relva nas rotundas, mas sim árvores próprias de cada clima (Castanheiros, carvalhos, sobreiros, ou outras mais ornamentais), com folha caduca por exemplo (TiCo, lembraste das aulas de Geografia?) e nada de relvas à inglesa que, nomeadamente para o nosso clima são um mero luxo (tipo: no pingo do verão as rotundas a transbordarem de água enquanto esta é escassa nas torneiras).

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest carlos.pedro

Concordo contigo quando dizes que em Portugal nao aproveitamos os espaços publicos que temos. Alias, isto é aplicavel a tudo que passa no nosso pais. Moro em Barcelona onde o espaço publico e os jardins sao vividos com toda a gloria e intensidade que podem ter.

Qualquer cidade europeia de qualidade tem espaços naturais onde aproveitar para passar o dia. Lisboa também tem, mas quase ninguèm usa (ainda assim Monsanto tem agora mais uso do que na epoca que eu ai morava e ia todos os dias fazer mountain bike no parque) ou o Porto com o seu Parque da Cidade (pseudo jardim de tipologia inglesa...). Porque ninguem usa? Talvez por os nossos habitos de consumo nos levarem a preferir a "urbanidade" como um degrau superior na evoluçao humana. Preferimos Shoping Centers (a natureza artificial do Colombo, totalmente plàstica mas com rotulo de Centro Amigo do Ambiente???) pois nos sentimos seguros e confortaveis. Preferimos o Cinema, pois o Por do Sol na sala escura é mais fotogénico com toda pos-produçao que tem. Preferimos o Betao porque temos necesidade de controlar o aspecto de tudo, nao deixando espaço às variaçoes incontrolaveis do verde...

Nao concordo contigo quando falas em situaçao ridicula. Um vaso na Janela nao pode ser considerada natureza. E como um Comic, um cartoon chamar isso de verde. E' o tipo de pensamento que também leva os nossos autarcas pensar que uma rotunda numa aldeia perdida é um simbolo de urbanidade. Nada mais errado. A verdadeira urbanidade passa pela atitude das pessoas face ao seu entorno. Um Jardim, mesmo que seja vertical, pode ser considerado natureza. Està mais do que provado que as Cidades -as we know them- nao sao o exemplo mais inteligente. No entanto tem o potencial de ser a soluçao. Urbanidade nao significa Betao e Alcatrao. Lisboa e Porto nao sao exemplos, pois sao cidades provincianas quando falamos em Sustentabilidade. Copiam o que de mal se fez, e continuam a copiar o que de errado se faz.

Nao acho que temos que fingir ou assumir a Natureza Urbana como imitaçao da Natureza Real, mas se a conseguirmos entendender como ela é, com as suas virtudes e defeitos, poderà tornar o ambiente urbano mais agradàvel e user friendly (porque nao existe uma boa expressao em Portugues para este conceito????).

Prefiro passear no Museu em Paris tendo essa fachada vegetal, do que se fosse devidro ou betao. Nao duvido que seja bastante mais agradavel...

Share this post


Link to post
Share on other sites

A arquitectura tem vindo a ser arquitectura e também a deixar de ser em alguns casos. Eu acho que quando se fala ou faz arquitectura directamente relacionado com a natureza é uma boa forma não só da contribuição para um ambiente saudavél, mas para o proprio homem em si. nós não reparamos que cada dia que passa ´há mais doenças e nem perguntamos porquê, porque já que tudo quase tem soluções, mas deviamos parar para pensar que cada véz mais isso está mais poluido, desde a cidade a´te as nossas casas. Noutro caso continuo a gpstar mais das cidades que aindam conservam as pegadas medievais, porque lá dentro vive mais saudadel que algumas dos novas cidades, por ex: menos carro exxx

Share this post


Link to post
Share on other sites

estive lá este mês.. a fachada é de facto muito bonita, mas já estava com algum problema com a rega ou algo do género. de resto não me parece que seja alguma tentativa de trazer o natural para a arquitectura. deve-se ver que contíguo a esta fachada existe um jardim e que a fachada é no fundo uma interpretação do que pode ser um jardim ou uma referência ao resto do museu. enfim, não é algo que me interesse particularmente mas podemos sempre interpretar isto como uma fachada em constante mutação à Herzog, com elementos vegetais. um bom exercício experimental, não sei até que ponto viável.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Concordo com as opinioes, ja ditas, hje em dia tem se desvolver mais o aspecto da integracao dos jardins nas cidades, pois hje vamos a kker lado so se ve pavimentos de pedra, cizentos e sem vida, optar por estas solucoes pk nao??

Share this post


Link to post
Share on other sites

Na mesma linha do projecto aqui apresentado, mas na minha opinião, estas são soluções mais interessantes e "habitáveis". Já existem à muitos anos ("terraço-jardim", uma dos 5 pontos da arquitectura de Le Corbusier, cerca de 1922/25), mas tem havido sempre alguma relutância em aplicá-las, por motivos diversos.

Boa leitura!

http://ngm.nationalgeographic.com/2009/05/green-roofs/klinkenborg-text

Share this post


Link to post
Share on other sites

Esta historia dos jardins verticais fez-me lembrar o papalagui.... substitui-se a natureza por betão e depois querem fazer a natureza crescer no betão.... modernices....rsrsr Mas o conceito nao deixa de ser interessante, e foi uma faisca pra minha idiotice... o contrariar a normalidade, fazendo um jardim numa fachada ou somente um relvado, imagino um edificio relvado em toda a sua fachada interrompido por paineis de vidro.... confesso de me causaria estranheza mas ao mesmo tempo um desejo de contemplação.... e quanto às criticas acho que o beneficio visual e termico é superior a essas questões práticas, e quanto aos bicharocos.... logo que não caem na sopa... menos mal.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mas a falta de natureza nas nossas cidades é tanta e a alternativa é tão pouca que o nosso desejo de estes sistemas funcionarem leva-nos a tornar este tema num dos mais discutidos ultimamente. concordemos ou não dá que pensar. hehe

Share this post


Link to post
Share on other sites

Gostaria de saber se me poderão indicar algum gabinete de paisagismo (ou outro) que me apresente detalhes sobre a instalação destes jardins verticais. Pretendo instalar um em obra em curso. Obrigada

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pretendo um projecto de execução, de modo que, em obra, possa ser instalado. Gostaria igualmente de ter noção sobre as espécies mais adequadas à região (Ferreira do Alentejo). Obrigada

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.