Jump to content
Arquitectura.pt


Dreamer

Uma casa e um mercedes...

Recommended Posts

Aqui se mostra como a evolução da linguagem formal acontece...

Uma casa e um mercedes - de Rui Campos Matos

de
Rui Campos Matos
(escrito para o Diário de Notícias da Madeira, secção “Pequenas Casas, grandes arquitectos)
publicado em 17 de Dezembro de 2006
____________________________________

Imagem colocada

Uma casa e um Mercedes

Quando, em 1927, a Mercedes-Benz utilizou como fundo para a imagem do seu último modelo desportivo o edifício do Weissenhof do famoso arquitecto Le Corbusier, a ideia publicitária era simples: associar à modernidade radical da arquitectura, a modernidade radical do automóvel. Em 2006, é com alguma estranheza que olhamos para a mesma fotografia. Parece haver ali qualquer coisa de anacrónico: associado ao que continua a ser a modernidade radical da arquitectura, vemos agora um calhambeque de outros tempos…O que terá acontecido para que, passados 78 anos, o edifício tenha conservado integralmente a sua modernidade e o automóvel se tenha transformado num calhambeque?
Simples, o edifício era muito moderno para a época, utilizava a tecnologia mais avançada do seu tempo e tinha sido projectado por Le Corbusier, um arquitecto de vanguarda, talvez o mais influente dos arquitectos do seculo XX, que afirmava que uma casa devia ser, acima de tudo, funcional e desprovida de ornamentos inúteis, como se fosse uma ‘máquina de habitar’.

O argumento parece convincente, mas a realidade é que o Mercedes-Benz de 1927 obedecia exactamente a esses princípios: utilizava a tecnologia mais avançada do seu tempo, era funcional, desprovido de ornamentos inúteis, uma verdadeira máquina destinada a transportar pessoas. Nada disso o impediu, porém, de se transformar no calhambeque ultrapassado que vemos na fotografia. A casa continua moderna. Como explicar este fenómeno?
Contra os estilos arquitectónicos que abusavam do ornamento, Le Corbusier gostava de invocar o exemplo dos aviões perguntando: - voariam eles se tivessem nas asas os ornamentos que carregam as fachadas de tantas casas? A função de uma casa, escrevia ele, é proporcionar-nos: 1. Um abrigo contra o calor, o frio, a chuva, os ladrões e os intrometidos. 2. Um receptáculo para a luz e o sol. 3. Um determinado número de células concebidas para cozinhar, trabalhar e para a vida privada.

Imagem colocada

Baseado nestes científicos princípios, projectou, em 1931, uma das casas mais conhecidas e mais marcantes do século passado : a Villa Savoye. O seu estudo é hoje obrigatório em qualquer curso de arquitectura. Tal como o edifício do Weissenhof, a Villa Savoye parece ser a materialização da teoria de Le Corbusier: desprovida de ornamentos desnecessários, de cornijas, de beirados, de telhados, de socos, de pilastras, enfim, de toda a parafernália por ele considerada supérflua e fútil, a casa, tal como um avião ou um automóvel, deveria, acima de tudo, funcionar. O problema é que nunca funcionou. Muito menos à luz dos critérios do seu autor.

Imagem colocada

Para dizer a verdade, não chegou sequer a cumprir a mais primordial das funções de qualquer casa: abrigar os seus moradores da chuva. Uma semana após a entrada dos Savoyes nos seus novos aposentos, já o quarto do filho metia água a cântaros. O terraço que, apesar da insistência dos seus clientes numa cobertura inclinada, Le Corbusier tinha defendido sempre, apresentando argumentos de ordem técnica e económica, metia água como uma peneira. A carta que Madame Savoye escreveu ao arquitecto em 1936 é eloquente: “Chove no hall, chove na rampa, a parede da garagem está ensopada. Mas o pior é que chove também no meu quarto de banho, que fica inundado quando está mau tempo, porque a água entra pela clarabóia.” Em 1937, o protesto subiu de tom: “Tudo o que tem acontecido é da sua exclusiva responsabilidade e não serei eu a pagar a conta. Por favor, torne esta casa habitável imediatamente. Espero, sinceramente, não ter de vir a recorrer a uma acção legal.” Com o desencadear da segunda guerra mundial, a famíla Savoye teve de fugir de Paris. Foi o que livrou o arquitecto de responder em tribunal…

Está visto que não devemos nunca tomar à letra o que diz um arquitecto panfletário, uma casa não é uma ‘máquina de habitar’, mas, no século em que o automóvel, o avião e a penicilina triunfavam, dava jeito a Le Corbusier falar em máquinas, em funcionalidade e em critérios científicos para justificar o que, na realidade, não tinha qualquer justificação: as suas opções estéticas e os seus sonhos românticos e irrealistas. A Villa Savoye, tal como o edifício no Weissenhof, podem parecer-nos, à primeira vista, máquinas projectadas para serem apenas funcionais, mas a realidade é que, na sua essência, são acima de tudo magníficas esculturas que querem parecer-se com máquinas. Imaculadamente brancas, flutuando sobre relvados, aos olhos dos seus contemporâneos, pareciam de facto naves vindas do futuro. Como podia um pobre Mercedes-Benz - esse sim, obrigado a funcionar com a eficácia de uma máquina - competir com naves espaciais? Não podia e, talvez por isso mesmo, tenha envelhecido tanto na fotografia…

Imagem colocada

Ainda hoje, para alguns vanguardistas estabelecidos, é difícil compreender o apego que grande parte do público - que não dispensa o conforto dos automóveis, aviões e tantos outros objectos modernos - continua a ter pela arquitectura dita ‘tradicional’. De facto, esse público prefere casas com telhado de quatro águas, mas não lhe passaria pela cabeça exigir automóveis com telhados de colmo…Ignorantes? Incoerentes? Não, sabem é distinguir muito bem entre uma coisa e outra. Não existe nenhuma contradição em conduzir um SLK e viver numa villa com um telhado de quatro águas.
Quanto a Madame Savoye e restante família, cabe-lhes a honra de terem sido ‘pilotos de teste’ de uma ‘máquina de habitar’. Passaram um mau bocado? Lá isso passaram, coitados! mas talvez tenha sido por uma boa causa…

Rui Campos Matos

Share this post


Link to post
Share on other sites

Uma curiosa observacao sobre a mudanca de valores de uma determinada empresa. 1936 A Mercedes queria estar ligada ao Modernismo Radical. Vanguardista. 2007 A Mercedes que estar ligada ao Classicismo. Uma combinacao entre a Vanguarda e o Classicismo. Identifico-me com esta combinacao... uma ligacao entre a tradicao e a modernidade. Combinar as coisas boas da vanguarda com as coisas boas da tradicao.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Aquela segunda imagem da mercedes parece-me uma montagem feita pelo autor do texto para demonstrar a continuidade do seu raciocínio, e não uma imagem publicitária real da marca... No entanto parece que algumas empresas estão a aderir a esse tipo de associação para "mostrar" os seus produtos...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tal como disse o JVS "Combinar as coisas boas da vanguarda com as coisas boas da tradicao." - essa é a tendência que estamos a atravessar nos nossos dias... os contrastes entre épocas, a mistura entrec ulturas, etnias, religiões... Sente-se isso em muitas formas de arte, como é o caso da publicidade, moda, decoração, culinária... O interessante e a grande dificuldade está em saber conjuga-las...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bem depois de Rui Campo Matos ter escrito este artigo (publicado em 17 de Dezembro de 2006), apareceu no dia 21 deste mês (21 de Abril de 2008) um artigo publicado pelo senhor Christoph sobre a mesma temática, mas muito diferente ao nível do contéudo, no site http://www.an-architecture.com/.

April 21, 2008

Le Corbusier. Still Modern.

label: Corbusier, visual culture
>
Maison La Roche today and the Weissenhofsiedlung in 1927.


Both in 1927 at the Weissenhofsiedlung and in 2008 at the Maison La Roche cars make a big contrast to Corbusier’s architecture. Corbusier’s buildings simply succeed to appear timeless - whatever car parks in front.


by Christoph ,anarchitecture


Link:
http://www.an-architecture.com/2008/04/le-corbusier-still-modern.html

Share this post


Link to post
Share on other sites

Realmente é interessante perceber como os arquitectos do nosso tempo incluem a tradição e a história nos seus projectos. Hoje em dia os arquitectos retiram as coisas boas da tradição sem recorrer à cópia como várias vezes aconteceu durante o curso da história :)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Hoje em dia os arquitectos retiram as coisas boas da tradição sem recorrer à cópia como várias vezes aconteceu durante o curso da história :)


Como dizia o outro: "já foi tudo inventado" (ou então não... ;))

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.