Jump to content
Arquitectura.pt


Dreamer

O Dubai e a arquitectura

Recommended Posts

Towering follies: the Dubai architecture you couldn't make up

The kilometre-high skyscraper, the underwater hotel, the cloud on stilts ... Steve Rose mourns the eye-popping erections that should never have been commissioned

Steve Rose guardian.co.uk, Thursday 3 December 2009 16.42 GMT Article history

Fun's over ... Dubailand, intended to be a 'vast landscape of leisure'. Photograph: Kamran Jebreili/AP

Pundits have been lining up to say "I told you so" over the bursting of Dubai's construction bubble, so now it's my turn. I did tell you so, a year ago. But what now? In architectural terms, Dubai has surely been the story of the decade. We're just not sure if it's a comedy, a tragedy or some surreal, hallucinogenic fairy tale.

On the other hand, the Dubai experiment has undeniably expanded the realms of what it is possible to build. Before the Palm Jumeirah and its ilk, or the World, who would have contemplated works on such a scale? Reclaiming land from the sea is nothing new, but only Dubai had the imagination to make pretty patterns with its coastline, to shape the earth to such a colossal degree that you need Google Earth to appreciate it.

Other countries have evidently been eyeing Dubai's coastline, too. In Russia, for example, Eric van Egeraat has designed Sochi Island, an artificial resort island in the Black Sea. Bahrain is developing a similar type of offshore resort. Abu Dhabi is making good use of its previously undeveloped islands, for instance Saadiyat Island, which will soon house a very different collection of wonders to Dubai in the form of new museums and galleries designed by Frank Gehry, Zaha Hadid, Norman Foster, Jean Nouvel and Tadao Ando. Even Boris Johnson's recent proposals for a new airport in the Thames estuary had a touch of Dubai about them.

Foreign architects have had a ball in Dubai, at least until recently. It's been the place where you can get away with anything. No matter how outlandish or oversized the idea, no one seemed to be saying no, and somebody else was always paying. As a result, the emirate has been waging some sort of architectural arms race with itself, each new development trying to outdo the last, while the rest of the world looked on with a mixture of disdain and envy.

The Dubai dream was ultimately unsustainable on many levels, environmental as well as financial, and it's safe to assume that most of the crazy ideas proposed for the city will never happen now, given Dubai's dire credit situation. So here are some of the craziest highlights from a future that will probably never arrive – but, you never know, still just might.

Nakheel Harbour and Tower

Legal high ... Bad timing for SOM's Burj Dubai, which is due to open on 4 January 2010, just when a conspicuous symbol of Dubai's hubris was needed. But in the Dubai spirit of one-upmanship, plans were afoot to build an even taller skyscraper with an even shorter name: Al Burj. Originally designed by IM Pei Partnership, the tower was taken over by Australian architects Woods Bagot. It was renamed Nakheel Harbour and Tower after its backers, the state-owned property group Nakheel, which is at the heart of Dubai's current woes. The sentiment behind this stupendous tower seemed to be: "I see your 800-metre-high Burj Dubai, and raise it to over 1km. How d'you like that?"

Trump International Hotel and Tower

1980s pound-shop vase? Surely a frontrunner in any competition for the ugliest skyscraper the world has ever seen, this 60-odd-storey atrocity, designed by Atkins, was supposed to be the centrepiece of the famous Palm Jumeirah and super-luxurious addition to the Trump brand. It looks like it was inspired by one of those 1980s vases you find in a pound shop. Mercifully, construction has been on hold for a year or so.

Dubai Towers

In the same way the peacock's tail evolved into a flamboyantly useless appendage, Dubai skyscrapers have had to resort to ludicrous contortions to stand out. From the "ignore them, they're just trying to get attention" school of design comes a quartet of bendy skyscrapers supposedly inspired by the movement of candlelight – or perhaps Jedward's hair.

Hydropolis Underwater Hotel

Plumbing the depths Why reach for the sky when you can plumb the depths? This German-designed scheme would offer 220 bubble-shaped transparent suites, 66 metres below the surface, so guests can enjoy a privileged view of Dubai's spectacular coastal dredging operations.

The Dynamic Tower

Room with a 360-degree view A nice idea: each of this tower's 70 floors revolves independently around its central core, so everyone lives in a revolving apartment and gets a 360-degree view of Dubai's cranescape. And from the outside, the building changes shape all the time. And it's all powered by green energy from wind turbines and solar panels. All perfectly possible, architect David Fisher assures a sceptical world.

The Dubai Opera House

Not even Dubai had the stomach for French superstar Jean Nouvel's idiosyncratic formal experiment – a strange cross between an oil rig, a greenhouse and a psychedelic light show. Nouvel's pretentious accompanying text didn't help: "It is a little like the clouds. Each person can see what attracts them, what makes them question. The architect plays only the role of provocateur, claiming innocence." Nouvel is at least building the new Louvre, in neighbouring Abu Dhabi, which promises to be stunning.

The Cloud

City on stilts A poetic but preposterous scheme imagining a resort landscape of lakes, palaces and floating gardens, raised 300 metres in the air on slanting columns. The brainchild of Lebanese architect Nadim Karam, it's been described as "a bridge suspended between dreams and reality". Why not put a gigantic pie on stilts instead?

Waterfront City

A whole city for 1.5 million inhabitants on an artificial island twice the size of Hong Kong. Rem Koolhaas's OMA were behind the plan. Reckoning that nobody in the Gulf watched Star Wars, he put a replica of the Death Star as its centrepiece – or was that his idea of architectural satire?

Dubailand

Carnival splendour A vast landscape of leisure, twice the size of Florida's Disney World, proposed for the interior of the emirate. Highlights include four theme parks, five golf courses, life-size replicas of some of the world's landmarks, a zillion hotels, a Beauty Museum, and, of course, another "world's largest shopping mall".


in
http://www.guardian.co.uk/artanddesign/2009/dec/03/dubai-architecture

Share this post


Link to post
Share on other sites
Agências diminuíram classificação da dívida das empresas públicas do golfo

Dubai choca mercados com moratória sobre a dívida da sua principal empresa estatal

26.11.2009 - 12h23

Por Paulo Miguel Madeira

Jumana El Heloueh/Reuters (arquivo)

A Nakheel está por trás do complexo artificial Palm Jumeirah

O Dubai chocou os investidores internacionais com o anúncio de uma moratória de seis meses das dívidas de uma subsidiária da principal empresa pública do país, a Nakheel, da holding Dubai World, que desenvolveu alguns dos projectos imobiliários mais extravagantes do mundo e no próximo mês deveria reembolsar dívida no montante de 2,3 mil milhões de euros.

A empresa informou que não poderá pagar dívidas de vários milhares de milhões de euros pelo menos até Maio do próximo ano, o que representa a pior situação de não reembolso de dívida desde 2001, quando a Argentina entrou em incumprimento da sua dívida soberana.

Esta situação apanhou os investidores de surpresa, conta o Financial Times de hoje, e representa na prática um incumprimento das obrigações do país, que põe em causa obrigações relativas a dívida total no valor de 53 mil milhões de euros desta cidade-Estado do golfo Pérsico, que foi assumida para o desenvolvimento de projectos no território com vista a diminuir a sua dependência do petróleo, e aumentando a sua importância como centro turístico e financeiro na região.

A moratória ontem decidida pelo Dubai relativamente às duas empresas implica o não pagamento imediato de milhares de milhões de euros e afectou hoje negativamente as cotações das acções da banca europeia, devido aos receios de incumprimento das obrigações do país.

Entretanto, as empresas de classificação de risco de crédito (rating) Moody’e e Standard and Poors diminuíram ontem a classificação atribuída à dívida emitida pelas empresas dos Estados do golfo, considerando que o pedido de moratória representa de facto um incumprimento.

O país foi muito afectado pela crise financeira internacional, e muitos dos seus gigantescos projectos imobiliários ficaram congelados.

in http://economia.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1411523


Segundo Crédit Suisse

Exposição dos bancos europeus ao Dubai chega a 13 mil milhões de euros

26.11.2009 - 15h42

Por Ana Rita Faria

Jumana El Heloueh/Reuters (arquivo)

A Nakheel está por trás do complexo artificial Palm Jumeirah

A exposição dos bancos europeus à dívida do Dubai e de algumas empresas do país ascende a 13 mil milhões de euros, estima o Crédit Suisse.

Entre os bancos expostos estão os britânicos HSBC, RBS e Barclays, os franceses BNP Paribas e Calyon (Crédit Agricole), o alemão Deutsche Bank e o suíço UBS.

Os analistas do banco suíço estimam que a exposição dos bancos europeus ao Médio Oriente não ultrapasse um a dois por cento dos seus investimentos, sendo que o Dubai deteria apenas uma fatia dessa percentagem.

De acordo com o Crédit Suisse, se o Dubai faltar ao cumprimento de pelo menos 50 por cento da sua dívida, a factura para os bancos europeus seria ainda maior: cinco mil milhões de euros.

O Dubai está a provocar um frenesim nos mercados internacionais depois de ter anunciado uma moratória de seis meses das dívidas de uma subsidiária da principal empresa pública do país, a Nakheel, da holding Dubai World. Esta empresa desenvolveu alguns dos maiores projectos de imobiliário de luxo e que deveria reembolsar uma dívida de 2,3 mil milhões de euros já no próximo mês.

A dívida total do Dubai chegava aos 80 mil milhões de dólares (53,2 mil milhões de euros) em 2008, dos quais 70 mil milhões a cargo de empresas públicas. A sociedade de participações do emirado, Dubai World, contribui com 59 mil milhões de dólares para esse montante.

Segundo analistas questionados pela Dow Jones Newswires e citados pela AFP, a exposição dos bancos europeus ao Dubai é superior à estimativa do Crédit Suisse, chegando aos 26 mil milhões de euros.

Além dos bancos europeus, o Wall Street Journal refere hoje que outras instituições estão expostas ao Dubai, como o Bank of Tokyo-Mitsubishi, a Sumitomo Mitsui Banking Corporation, o Emirates Bank e o Mashreq Bank.

in http://economia.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1411561



Sonho de capital financeira transformou-se em pesadelo

Dubai deixa de pagar dívidas e assusta bolsas mundiais

27.11.2009 - 07h24

Steve Crisp/Reuters (arquivo)

O rebentamento da bolha especulativa do mercado imobiliário do emirado do Dubai levou ontem o maior grupo empresarial da região a anunciar ao mundo que, durante os próximos seis meses, não vai conseguir pagar as suas dívidas, colocando o sistema financeiro internacional próximo de uma nova crise de confiança.

O grupo Dubai World, que está sob o controlo do Governo do Dubai, pediu um adiamento até "pelo menos Maio de 2010" da amortização das suas emissões obrigacionistas de 59 mil milhões de dólares (cerca de 40 mil milhões de euros ou um quarto do PIB português). Esta é uma das maiores ameaças de incumprimento no mercado de dívida das últimas décadas, apenas comparável com situações como as da Argentina nos anos 90, ou da Islândia em 2008.

O Emirado do Dubai, um dos sete que constituem os Emirados Árabes Unidos, tornou-se nos anos anteriores à crise financeira no símbolo máximo da euforia imobiliária a que se assistiu um pouco por todo o planeta. Ao pé da exuberância do mercado imobiliário do Dubai, a oferta de crédito fácil na Califórnia ou a construção em série de moradias no Sul de Espanha quase podem ser apresentados como exemplos de investimentos de baixo risco.

As autoridades do Dubai decidiram no início desta década que queriam fazer do território o novo centro financeiro, turístico e cultural do globo e não se pouparam a nada para consegui-lo. Desde a construção do Burj Dubai, o mais alto edifício do mundo, com 818 metros e inauguração marcada para o dia 4 de Janeiro, até à criação de uma ilha artificial em forma de palmeira, passando pela organização dos mais diversos eventos desportivos e culturais, o território foi surgindo no noticiário mundial como sinónimo de luxo e exclusividade.

Os problemas surgiram em 2008. Quando a crise financeira internacional atingiu o seu auge, os investidores, especuladores imobiliários e turistas milionários que tinham ajudado a sustentar o crescimento no Dubai viram-se forçados a regressar aos países de origem. A fuga de estrangeiros foi de tal modo volumosa e brusca que era possível notá-la observando os milhares de veículos de alta cilindrada que se encontravam abandonados nas ruas da cidade. Durante os primeiros oito meses de 2009, os preços do imobiliário caíram para metade e cada vez mais escritórios e apartamentos ficaram vazios, forçando ao adiamento de projectos no valor de 24 mil milhões de dólares.

Sabendo que todos os investimentos tinham sido feitos recorrendo ao mercado internacional de crédito, já se temia que começassem a surgir dificuldades no pagamento dos 80 mil milhões de dólares de dívidas. Mas havia a esperança que as autoridades de Abu Dhabi, o emirado mais rico (graças ao petróleo), continuassem a suportar os seus parceiros do Dubai. O anúncio ontem feito parece mostrar que esse apoio deixou para já de ser possível.

Ontem, por causa do Dubai, o clima de nervosismo nos mercados financeiros internacionais regressou em força. As bolsas caíram e as taxas de juro das obrigações menos seguras dispararam. Tanto na Europa como nos EUA, todos queriam saber quem é que tinha investido no Dubai e quais os próximos mercados a cair.

Portugal não escapa aos efeitos negativos. O impacto directo - que ocorre nos casos em que entidades portuguesas tenham adquirido títulos de dívida com origem no Dubai - é difícil de quantificar. Contactada pelo PÚBLICO, fonte oficial do Banco de Portugal, limita-se a dizer que "a situação está a ser avaliada".

Mas o impacto indirecto já se tornou evidente. Como os investidores, nesta situação de stress, se protegem nos investimentos mais seguros, as emissões de dívida feitas pelo Estado e as empresas portuguesas saem prejudicadas face, por exemplo, às das suas congéneres alemãs e, por isso, as taxas de juro suportadas por Portugal tendem a subir, algo que já aconteceu ontem (ver texto ao lado).

in http://economia.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1411643



Sistema financeiro dos emirados permanece sólido

Banco central dos Emirados coloca liquidez à disposição do Dubai

29.11.2009 - 14h11

Por PÚBLICO, Agências

REUTERS/Jumana El Heloueh

A Nakheel está por detrás do arquipélago artificial de Palm Jumeirah

O banco central dos Emirados Árabes Unidos (EAU), sediado em Abu Dhabi, colocou hoje liquidez suplementar à disposição dos bancos locais e estrangeiros, assegurando que o sistema bancário dos emirados permanece sólido.

“O banco central enviou um comunicado aos bancos dos emirados e às filiais dos bancos estrangeiros a operar nos EAU, disponibilizando facilidades de liquidez adicional ligada às suas contas actuais no banco central, a uma taxa de 50 pontos base acima da EIBOR a três meses” (taxa interbancária dos emirados), disse.

O banco central não deu mais detalhes, dizendo apenas que iria apoiar os bancos dos emirados e as filiais de bancos estrangeiros a operar na região e salientando que o sistema bancário dos países do Golfo Arábico tem mais liquidez agora do que há um ano.

A situação do Dubai, que está a perturbar os mercados financeiros internacionais, começou com a Dubai World, holding detida pelo Estado e responsável por alguns dos mais megalómanos projectos de imobiliário de luxo do emirado.

No dia 25 de Novembro, o Dubai disse que iria pedir aos credores da Dubai World e da Nakheel (construtora dos arquipélagos artificiais da região ligada à holding estatal) uma moratória de seis meses para cumprir com o pagamento das suas dívidas.

Em Agosto, as dívidas da Dubai World ascendiam a 59 mil milhões de dólares (39,4 mil milhões de euros).

in http://economia.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1411913



Moratória afecta 2,33 mil milhões de euros de obrigações islâmicas

Governo do Dubai exclui garantia ao conglomerado Dubai World

30.11.2009 - 13h11

Por Lusa

Steve Crisp/Reuters

A Dubai World está envolvida em projectos imobiliários gigantescos, muitos dos quais em causa devido à crise internacional

O Governo de Dubai não garantirá a dívida do conglomerado público Dubai World, fortemente endividado, afirmou hoje o director do departamento financeiro do emirado, Abdel Rahman Al Saleh.

“É verdade que o Governo é o proprietário” de Dubai World, declarou o responsável numa entrevista divulgada pela televisão do Dubai. “Mas como a firma tem várias actividades expostas a todo o tipo de risco, foi tomada desde a criação da companhia a decisão de que não seria garantida pelo Governo”, acrescentou.

O emirado do Dubai anunciou na quarta-feira da semana passada a intenção de pedir aos credores do seu conglomerado Dubai World, que controla nomeadamente a Nakheel, um adiamento de seis meses, até Maio de 2010, do pagamento de uma dívida cujo prazo de reembolso estás prestes a vencer.

A moratória incide sobre o pagamento, previsto a 14 de Dezembro, de 3,5 mil milhões de dólares (2,33 mil milhões de euros) de obrigações islâmicas por Nakheel.

O anúncio fez cair os mercados asiáticos, europeus e americanos, com os investidores a recear a insolvência do Dubai, com uma dívida pública de 80 mil milhões de dólares (53,35 mil milhões de euros).

As bolsas do Dubai e de Abu Dabi tiveram hoje uma segunda-feira negra, fechando com quedas de 7, 3 e 8,3 por cento respectivamente, sinal da perda de confiança dos investidores, no primeiro dia de negociação após o anúncio das dificuldades financeiras do Dubai World, um emblema da economia do Dubai.

in http://economia.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1412036


Conglomerado Dubai World anunciou a reestruturação de algumas empresas

01.12.2009 - 11h43

Por Lusa

O conglomerado público Dubai World anunciou a reestruturação de algumas das suas empresas, entre elas a gigante imobiliária Nakheel, depois de uma segunda-feira negra nos mercados dos Emirados Árabes Unidos devido às dificuldades financeiras daquele grupo.

O Dubai Worls, proprietário das autoridades do emirado em plena expansão, que não beneficia de garantias governamentais, afirmou, em comunicado que “os processo de reestruturação vão afectar unicamente a Nakheel World e a Limiteless World”.

Este processo “vai compreender várias fases, entre elas (...) a avaliação de opções, entre elas e venda de bens”, explicou a empresa, em comunicado.

O grupo refere ainda que as outras filiais como o DP World, terceiro operador portuário mundial, e a Istithmar Worls and Ports, que controla dos investimentos do grupo no estrangeiro, não serão afectadas, uma vez que “estão numa situação financeira estável”.

“O valor total da dívida das empresas afectadas pelo processo de reestruturação ascende aos 17,3 mil milhões de euros, dos quais quase quatro mil milhões são relativos aos soukouks (obrigações islâmicas) da Nakheel”, explica o grupo.

Este primeiro comunicado desde o início da crise, a 25 de Novembro quando a empresa pediu uma moratória de seis meses para pagar as suas dívidas, surge no dia em que as bolsas do Dubai e de Abu Dhabi sofreram fortes quedas (-7,3 por cento e -8,3 por cento, respectivamente).

Esta moratória diz respeito ao pagamento, previsto inicialmente para 14 de Dezembro, de cerca de 2,3 mil milhões de euros em obrigações islâmicas da Nakheel.

O governo do Dubai disse já que não vai suportar a dívida da Dubai World.

“É verdade que o governo é o proprietário (da Dubai World). Mas como a empresa tem várias actividades expostas a todo o tipo de riscos, a decisão de que não teria garantias do governo foi tomada desde a sua criação” afirmou o director do departamento financeiro do Dubai, Abdel Rahman al-Saleh.

Al-Saleh disse ainda que “cabe aos credores assumirem uma parte da sua responsabilidade para acordarem créditos com a empresa à base da rentabilidade dos seus projectos e não à base das garantias do governo”.

O anúncio de domingo pelo banco central dos Emirados Árabes Unidos sobre o fornecimento de liquidez suplementar para consolidar o sistema bancário e tranquilizar os investidores não cumpriu este segundo objectivo.

As duas bolsas, encerradas desde 25 de Novembro por causa da festa de Adha, evitaram, no entanto, a sua suspensão, prevista nos regulamentos para quando os índices recuem dez por cento.

in http://economia.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1413105


Nakheel está em parte na origem da crise da dívida

Gigante imobiliário do Dubai anuncia perdas de 2500 milhões de euros no primeiro semestre

09.12.2009 - 08h45

Por AFP

Jason Reed/Reuters (arquivo)

A Nakheel é promotora de muitos projectos extravagantes no emirato do Dubai

O gigante imobiliário Nakheel, em parte na origem da crise da dívida do Dubai, reconheceu hoje que teve perdas de 13.400 milhões de dirhans (quase 2500 milhões de euros) no primeiro semestre de 2009.

A Nakheel, promotora das ilhas em forma de palmeira ao largo do emirato do Dubai, tinha apresentado lucros de 2650 milhões de dirhans (quase 500 milhões de euros) no mesmo período de 2008, segundo um relatório da empresa publicado no site Nasdaq Dubai, o mercado financeiro onde as suas acções estão cotadas.

As receitas da Nakheel, que pertence ao conglomerado público Dubai World, caíram 78 por cento, para 365 milhões de euros, face a cerca de 1660 milhões de euros no mesmo período do ano passado.

As autoridades do Dubai, que enfrentam dificuldades financeiras, anunciaram a 25 de Novembro a intenção de pedir uma moratória de seis meses sobre a dívida do conglomerado público Dubai World.

in http://economia.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1413105


Crise da dívida do emirato

Bolsa do Dubai a cair mais de seis por cento

09.12.2009 - 09h01

Por AFP

A Bolsa do Dubai registou hoje de manhã uma forte queda, perdendo mais de seis por cento, enquanto a de Abu Dabi recuava dois por cento.

O índice DFM da Bolsa do Dubai estava nos 1528,92 pontos às 7h30 locais (3h30 TMG), uma baixa de 6,66 por cento, enquanto o índice do mercado de Abu Dabi estava nos 2484,85 pontos, uma baixa de dois por cento,

Ontem a Bolsa do Dubai já tinha recuado 6,12 por cento, devido às dificuldades financeiras do emirato, enquanto a de Abu Dabi tinha perdido 3,36 por cento.

A Emaar, gigante imobiliário do Dubai, continuava em queda, recuando mais de 9,86 por cento, depois de na véspera ter perdido 9,84 por cento.

Desde o anúncio pelas autoridades do Dubai, a 25 de Novembro, da sua intenção de pedir uma moratória de seis meses sobre a dívida do conglomerado público Dubai World e até ao fecho de ontem, a Bolsa do Dubai tinham perdido mais de 21,7 por cento do seu valor.

in http://economia.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1413106

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sob ponto de vista cultural, Dubai é muito pobre, exceptuando a religião que é uma das maiores marcas dessa cidade para quem ja teve o prazer de lá estar. Acredito que a história do Dubai está a ser feita agora, com o enorme desafio da tecnologia à Natureza. Uns chamam-lhe de aberração e outros de belo, a realidade é que Dubai reflecte a ousadia de criar e construir. No refúgio à uma crise económica, dada pela previsão do esgotamento de reservas de petróleo, surge aquilo a que eu chamo de ''paraíso espelhado'', trata-se da criação de residências e áreas sociais demasiado luxuosas em espaços que tendem a transmitir a sensação de beleza natural, é viver sob o reflexo da natureza.......

Share this post


Link to post
Share on other sites

Please sign in to comment

You will be able to leave a comment after signing in



Sign In Now

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.