Jump to content
Arquitectura.pt


Seravia

Reprovado Depois De Aprovado (Como É Possível)

Recommended Posts

Boa Tarde

Vou tentar com a maior celeridade expor e pedir a vossa ajuda para o seguinte:

Em finais de 2012 foi entregue numa Câmara (X) (como é óbvio não vou mencionar o nome) um projecto de alteração de um edifício para instalar um bar.

Depois de uma primeira análise por parte dos técnicos dessa Câmara (X)  foi necessário entregar novos elementos uma vez que o dito projecto está inserido em zona com regulamento do POLIS, além dos regulamentos normais para um estabelecimento de bebidas (ou seja o referido projecto foi visto à LUPA como costumamos dizer quando os mesmos estão inseridos dentro destas zonas (POLIS).

Com os referidos elementos entregues o projecto teve parecer 100% positivo por parte do departamento técnico.

Em virtude desse parecer o projecto de arquitectura foi aprovado em Julho de 2013.

Nos termos do nº. 4 do artº 20º do Dec Lei 555/99 de 16/12, foi concedido o prazo de 6 meses para entregar as especialidades.

Dentro do prazo legal ou seja em Outubro de 2013 foram entregues todas as especialidades.

Entretanto a Câmara (X) mudou de presidente embora da mesma cor.

Por ordem do presidente recentemente eleito o projecto foi para reunião de câmara para aprovação das especialidades.

Em reunião de Câmara foi deliberado que o projecto de arquitectura deveria ser retirado da reunião para melhor esclarecimento.

Sabendo que o projecto foi retirado por ordem do presidente, fomos falar com o mesmo, pedindo esclarecimento uma vez que o mesmo se "encontra" aprovado.

Resposta à "politico" entendam-se com os técnicos.

Em reunião com os técnicos, mostraram-se surpreendidos e não tendo qualquer explicação plausível, pediram-nos para entregar qualquer coisa relacionada com o exterior, para tentar agradar ao dito "politico".

Em consideração pelo nosso cliente que pretendia começar as obras no Inverno, uma vez que trata-se de uma Cidade que vive essencialmente do turismo no Verão, Fizemos uma foto montagem com alguma maquilhagem ao prédio e a mesma foi entregue na Câmara em Dezembro de 2013.

Em Janeiro de 2013 o processo foi a reunião de câmara, tendo o mesmo sido retirado da reunião por ordem do Presidente.

Entretanto para a zona fizeram à pressa "Umas Linhas Orientadoras Para as Intervenções na Referida Zona".

Estas linhas orientadoras (não passam disso e são consideradas com uma recomendação) uma vez que não se podem sobrepor ao POLIS, REGEU, ETC, ETC.

Estas linhas orientadoras foram aprovadas em reunião de Câmara de 12/02/2014.

No dia 19/02/2014 o nosso processo voltou novamente à reunião de Câmara (com um parecer dos técnicos, dizendo que o projecto de arquitectura foi aprovado em 30/07/2013 e nada mais tem a acrescentar).

AQUI É QUE ESTÁ O BICO DE OBRA.

Então não é que foi deliberado em reunião de Câmara de 19/02/2014 a intenção de indeferir e que deverá ser reformulado afim de dar cumprimento ás recomendações que foram aprovadas em 12/02/2014.

Parece anedota.

Um projecto aprovado, depois fazem uma postura (ilegal) para poderem indeferir.

 

Alguém me pode ajudar, porque eu vou processar esta Câmara.

 

Alguém me ajude por favor

Atentamente

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Cá em Portugal, abunda lei no papel, que nunca é cumprida na prática, principalmente a do Urbanismo. Como podemos ver, o mesmo não acontece com os Impostos em Geral, dado que as sua leis, são taxativamente cumpridas. Tudo o que seja contribuir para o erário público é lei a cumprir, tudo o que não seja, fica-se pelo papel.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Caro Seravia, 

 

Lamento a situação pela qual esta a passar pois efectivamente a legislação de urbanismo muitas vezes não chega para que as CM funcionem da melhor forma...

 

Sou Advogado e trabalho sobretudo com Urbanismo e licenciamentos de obras. 

 

Após analisar a questão que coloca acho que tem fundamentos para reagir:

 

Em primeiro lugar tentaria resolver isso com os juristas da CM. 

 

Pela minha experiência, muitas vezes são eles que explicam aos técnicos e políticos que as coisas não podem ser feitas de determinadas formas

 

Se não for suficiente pode sempre avançar com 2 tipos de processos:

1º para impugnar o acto administrativo de indeferimento

2º intentar uma acção para a prática de acto devido de forma a avançar com o projecto que foi aprovado.

 

Atenção aos prazos para reagir!

 

Estou ao dispor para qualquer esclarecimento adicional.

 

Melhores cumprimentos e votos de muita paciência,

 

Frederico

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.