Jump to content
Arquitectura.pt


JVS

Lisboa | Pavilhão De Portugal | Álvaro Siza Vieira

Recommended Posts

Degradação do Pavilhão de Portugal é 'dramática', alertam arquitectosA «situação dramática» do Pavilhão de Portugal, no Parque das Nações, em Lisboa, desenhado por Siza Vieira para a Expo98, está a preocupar a Ordem dos Arquitectos (OA), que pretende questionar a tutela sobre o futuro do edifício.
Em declarações à agência Lusa sobre a situação actual do Pavilhão de Portugal, um dos edifícios mais emblemáticos da Expo 98, e para o qual a OA chegou a ter um projecto, o presidente da direcção da Ordem, João Belo Rodeia, mostrou-se muito preocupado «porque está visivelmente a degradar-se».
Concluído para a Expo 98, o edifício, que acolheu a representação nacional portuguesa naquele evento, custou 23,5 milhões de euros e em 2010 foi classificado como Monumento de Interesse Público (MIP) pelo Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR).
«Era um edifício central da Expo98 e deve ser equacionado um projecto para usufruto dos cidadãos», defendeu o presidente da direcção da OA, acrescentando que a entidade continua disponível para participar numa reflexão sobre o futuro do pavilhão.
A estrutura - cuja ideia se baseia numa folha pousada em dois tijolos - é composta por uma enorme pala de betão que cobre uma ampla praça onde decorreram cerimónias protocolares e vários eventos culturais durante a Expo98.
O pavilhão é constituído por dois corpos: a Praça Cerimonial, um espaço aberto, e o Pavilhão de Portugal propriamente dito, com cave e dois pisos, que se desenvolve em torno de um pátio interior.
Finda a exposição internacional vieram a público várias propostas para o seu uso, desde o aproveitamento para sede do Conselho de Ministros, centro de exposições e Museu dos Descobrimentos e da Língua Portuguesa.
A OA também chegou a apresentar uma proposta à Câmara Municipal de Lisboa (CML), quando a autarquia era liderada por Carmona Rodrigues, para criar um centro de estudos ligado à arquitectura e à cidade, mas nunca chegou a concretizar-se.
«Na altura a própria câmara teve interesse em ficar com o edifício, mas isso não chegou a acontecer. A Ordem dos Arquitectos não estava interessada em gerir o espaço, mas antes levar a cabo esse projecto no quadro do funcionamento de outras valências», explicou Belo Rodeia.
Aquele projeto da OA acabaria por concretizar-se através do lançamento da Trienal de Arquitetura de Lisboa, que entretanto ganhou autonomia e espaço próprio na cidade.
Ao longo dos anos, o Pavilhão de Portugal «acabou por ficar desocupado e visivelmente a degradar-se».
«É dramático porque, depois de todo aquele investimento público, e com o valor e o prestígio que tem, funciona como uma escultura. Não é vivido», lamentou João Belo Rodeia.
A direcção da OA vai enviar uma carta ao Ministério da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território (MAMAOT), no seguimento da recente decisão do Governo em extinguir a Parque Expo, para defender «um uso com dignidade» para aquele edifício.
Contactado pela Lusa, o gabinete de imprensa do MAMAOT respondeu que durante o dia de hoje dará esclarecimentos sobre a situação do Pavilhão de Portugal.
Lusa/SOL


in http://sol.sapo.pt/inicio/Cultura/Interior.aspx?content_id=44067

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.