Jump to content
Arquitectura.pt


toughpanther

Dois anos de estágio e três sem assinar?!

Recommended Posts

Sputnik deixa-me dizer-te que em relação ao tema do topico não disses-te nada... a questao aqui é os 2 anos de estagio e na minha optica serem ou não remunerados... E até podem dizer que a ordem não pode interferir nisso mas pode por-se na posição de proteger os estagiários fazendo pressão para que a situação seja regulamentada!

Share this post


Link to post
Share on other sites

"O meu conselho é que preocupem-se mais em formar-vos como profissionais e menos em cumprir burocracias." Um belo concelho.... Mas, em relacao ao topico de o estagio ser ou nao remunerado, acho q e obvio que todos nos, boas pessoas, estamos contra a escravatura q o estagio as vezes e. Nao podemos ter a vida em pausa por causa de uma burocracia. E a ideia de que os estagiarios sao remunerados com o saber, que estao a aprender a ser arquitectos e uma parvoice. Ja trabalhei numa empresa de enginheiria, para um arquitecto paisagista e estou a quase 3 anos numa empresa de arquitectura e todos os dias aprende-se. As vezes aprendo mais sobre como nao ser arquitecto, o que tambem e valioso. A minha experiencia e um pouco diferente, estudo e trabalho em Boston e trabalhar para um atlier faz parte do curriculo, por cada 100 horas ganho um credito. Aqui todos sao pagos, bem ou mal e outra discussao. Mas tenho estado atento a este forum ate pk tenciono voltar para o pais a beira mar plantado! (tou a ser sarcastico, sei que a situacao no pais n e a melhor, mas que interresse teria a vida sem um pouco de luta?!) Em relacao ao estagio, acho q os estagiarios esquecem-se que tb tem algum poder. podem nao fazer logo o estagio. Construam um curriculo e um portfolio fortes que vos arranje um trabalho num atlier como desenhador ou a construir modelos. quando tiverem uma relacao solida dentro do atlier proponham ao patrao que ele deixe fazer o estagio continuando o trabalho. Acho q n devemos ter pressa para assinar projectos e ser o proximo "stararchitect" embora por estes dias ate esses andam desaparecidos. Eu nao assino, e ate ja podia fazer os testes pro AIA, mas faco arquitectura todos os dias, nem que seja no meu caderno de esquissos... :p

Share this post


Link to post
Share on other sites

Parece-me que há sobretudo uma ideia de que quando acabamos a faculdade, o próximo passo é fazer estágio para entrar na Ordem, quando na realidade a maior parte de nós não tem sequer nenhum projecto para fazer nos próximos anos. O que acontece é que passamos 18 anos da nossa vida em que sabemos precisamente aquilo que temos de fazer quando acabar este ano e começar o próximo. Vamos fazendo todos os graus de ensino e de repente acabamos o ensino superior e se não temos um "estágio para a Ordem" para fazer, de repente ficamos numa situação em que não sabemos bem o que fazer. Agora já não há nada a que sejamos obrigados de fazer, nem nenhum passo que tenhamos que tomar para... Por isso o mais normal é continuarmos na situação que vivemos há 18 anos e fazer o tal estágio. Mas na realidade, uma grande parte de nós não tem capacidade ou oportunidade de nos próximos anos fazer nenhum projecto que necessite de assinatura logo, porque razão temos nós de nos apressar a ser membros da Ordem dos Arquitectos, quando nem sequer vamos usufruir da Ordem, nem trazer nada de novo á profissão? Penso que na maior parte dos casos seria preferível arranjar trabalho, independentemente de se ter de fazer estágios ou não. Porque dessa forma, podemos demonstrar já as nossas capacidades, aprender a profissão e posteriormente fazer o estágio no mesmo local ou noutro, já com um maior saber e confiança. E não me parece que em termos de remuneração, não vai ser por estarmos a fazer um estágio para a Ordem ou um estágio do IEFP ou sem fazer estágio que iremos receber mais ou menos ou não receber. Isso já depende do que cada um quer da vida e de que opções quer fazer. Fazer estágio do IEFP em que apensa recebemos a metade do IE e o atelier não desembolsa o resto? Isso é uma anedota! Mas há quem não goste de se chatear e ficar com a primeira opção que lhe aparece à frente... Sinceramente, acho que temos que elevar muito mais as expectativas e lutar por isso. Se uns podem estar a trabalhar/estagiar de forma correcta e legal, porque haverão todos os outros de se submeter à escravidão?

Share this post


Link to post
Share on other sites

A Malta tem que compreender uma coisa, Arquitectura não é só Projectos (nas variantes e possíveis especialidades), desde Direcção de Obra, Fiscalização, Avaliação de Imóveis ou emprego na Administração Pública, tem que diversificar para sobreviver.

Share this post


Link to post
Share on other sites

e para isso é preciso que exista um arquitecto que te "assine" o estágio... o que na maioria das vezes esses trabalhos sao feitos por engenheiros... pelo menos na minha zona...

Share this post


Link to post
Share on other sites

"a ordem ... pode por-se na posição de proteger os estagiários fazendo pressão para que a situação seja regulamentada!" JoelM Na verdade esse seria a última das prioridades, uma vez que a Ordem é constituída essencialmente por arquitectos que beneficiam dessa mão de obra barata. Sejamos realistas: os estagiários não são um grupo organizado. Se fixarem um estágio de 5 anos, nada a fazer. Não são estudantes nem são trabalhadores, estão no limbo, não tem nenhuma entidade que os defenda (pois ainda não são arquitectos) não tem qualquer poder, EXCEPTO o valor da qualidade trabalho individual. Nenhuma entidade empregadora é idiota ao ponto de deixar escapar um bom funcionário só porque pode ter um mau "à pala", no qual ainda terá de investir um bocado só para "actualizá-lo" na empresa. E só uma empresa grande poderia eventualmente compensar essa rotatividade Penso eu.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu já não passava por aqui há muito tempo. Dei uma vista de olhos para ver se havia alguma novidade sobre o assunto. Devo dizer que estou estupefacto com algumas das posições e opiniões que por aqui vi. Compreendo que hajam aqui algumas pessoas que, quer pelas suas idades (juventude), quer por estarem já relativamente bem orientados, possam achar tudo isto muito correcto e pacífico. Ou então, “… eu já passei por isso… é essa a realidade… conformem-se!” Exigir-se a alguém que esteja 2 anos a trabalhar por conta de outrem de graça ou muito mal remunerado, “porque se está a aprender”!!!??? É absolutamente incrível e abominável! Participei desta discussão, não por esta situação me afectar pessoalmente. Mas, como tenho imensos colegas que, tal como eu, fizeram o curso a trabalhar 8 a 9 horas dias, pagando com o seu trabalho as suas propinas, dormindo 3/4h para poder cumprir com os trabalhos académicos, sacrificando os seus fins-de-semana e todos os tempos livres, ausentes das famílias (e filhos!) para poder cumprir com a imensa carga de trabalho que nos era exigido, agora se vêm na iminência de cumprir 2 anos de trabalho não remunerado porque “não aprenderam o suficiente na faculdade!!!???” MAS O QUE É ISTO??? Brincamos ou quê? Vários aqui o disseram: aqueles que escrevem esta opinião não tiveram que passar por isto. Os arquitectos que agora acham bem os 2 anos de estágio (e ainda + 3 anos sem poder assinar) fizeram a sua formação em apenas 5 anos. Será que era melhor do que a actual??? Duvido, e MUITO! Meus caros, isto é o mesmo que dizer a um pedreiro, carpinteiro, electricista, ou qualquer outro profissional de qualquer outra área: “Vais trabalhar para mim. Mas como ainda sabes pouco (só 5 anos??), estás aqui 2 anos sem ganhar. Depois, com o que aprendeste podes ir procurar emprego remunerado onde quiseres… Tens família, contas para pagar, queres comprar um carro? Opá, tem paciência, daqui a 2 anos podes começar a pensar nisso…” Ah! Mas os ateliers (os srs. Arquitectos muito conceituados) despendem o seu tempo a formar estes recém-licenciados! Certo. E por acaso não ganham nada com o seu trabalho??? (de novo) BRINCAMOS OU QUÊ!!! Como o Mark e outros referiram, trabalho gratuito, em qualquer parte do mundo civilizado é ESCRAVATURA! O tema em debate era os 2 anos de estágio. Sejam humanos! Não faz nenhum sentido! NENHUM! Se alguém sai verde e precisa de ganhar experiência, esse alguém tem que ter essa noção e procurar essa experiência, trabalhando por conta de outrem, onde a possa adquirir, mas – sem qualquer sobra de dúvida - REMUNDERADO!! Se é a recibos verdes, se é a contrato, se é como estagiário - trabalha! Tem direito a remuneração e todos os restantes direitos de um qualquer trabalhador deste estado de direito. Nunca abaixo de um salário mínimo nacional. E a “nossa” ordem tem apenas e só a obrigação de fazer com que os seus associados cumpram com esse dever do estado de direito em que vivemos. Sobre esta matéria nada mais direi, porque penso, que como cidadão português e de um mundo supostamente civilizado, é completamente inquestionável há mais de 100 anos aquilo que acabo de opinar. Lamento e muito que haja quem, estando ou conhecendo esta triste realidade, ainda consiga aceitar e concordar com as razões de quem a criou. Estágios sim, mas integrado na formação e que não a prolongue. Fora dela, só remunerados e sem serem impeditivas dos plenos direitos de exercer a profissão. A Ordem nem tem razão de existir, se não defender com humanismo os direitos cívicos de todos aqueles que fazendo uma formação específica para exercer esta profissão queiram de pleno direito pertencer à sua associação pública de natureza profissional. Peço desculpa por me ter alongado, mas seria difícil perceber esta minha posição de forma mais resumida. De qualquer forma, não pretendo alongar mais esta discussão, porque o que pretendi, desde o início, foi que a minha participação resultasse em acção. Não sei se foi esse o resultado obtido… Mas enfim, tentei.

Share this post


Link to post
Share on other sites

o actual estatuto de admissao tem os dias contados...o novo vai entrar em discussao publica e foi me dito na Ordem que so se manterá o actual durante o primeiro semestre de 2010 (ate junho no maximo portanto). assim estamos...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Atenção aos boatos. De qualquer forma temos por aí uma enorme quantidade de gente a reclamar. Mas quando se trata de aparecer e colaborar já a música é outra. Há por aí um comentário que refere a APELA. Pois! Só se lembram de Sta. Bárbara quando há trovões. Ainda não passou muito tempo desde as últimas eleições para a Ordem. Sabem qual foi a percentagem de votação? Vão ver e espantem-se. E a maior parte dos votantes foram colegas que já têem o seu nicho de mercado e outros que até já nem trabalham. Vejam portanto o interesse dos membros mais recentes. E digo isto com conhecimento de causa, porque estive numa mesa de voto todo o dia. Não se pode só ir ao dentista quando doi o dente. Toda a malta quando apanha o "canudinho" pensa que já é a vedeta como aquelas vedetas que ajudou a contruir e desliga-se da "luta". Estágios de borla? Arquitectos a trabalhar a 5, 6, 7 ou 8 Euros à hora e a passar recibos verdes? Cada um a querer ter o seu "ateliezinho" em lugar de fazer parcerias para ter mais força? Assembleias da Ordem com meia dúzia de participantes? Ter medo de dar a cara ou até de colocar o seu nome nas reclamações? Pois é. Assim não vamos longe, tudo isso acontece porque queremos. Caramba, afinal somos uma das poucas classes profissionais que não luta pelos seus direitos. Os enfermeiros lutam, os engenheiros lutam, os médicos lutam,....... Toda essa gente quando é necessário vai para a rua, reclama, faz-se ouvir. Os Arquitectos lamentam-se em posts na internet, ainda por cima sob pseudónimo. Está bem. Luis Manata - Arquitecto nº 15895 (projectista desde 1972)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bom dia Luis....arranjas-me um estagio remunerado? É que ja estou farto de mandar curriculos e a resposta (quando vem), é que têm trabalho para meter mais um estagiário, mas não tem condiçoes de pagar. E que isto de estagiar/trabalhar de graça....perde a sua graça.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Atenção aos boatos.
De qualquer forma temos por aí uma enorme quantidade de gente a reclamar. Mas quando se trata de aparecer e colaborar já a música é outra.
Há por aí um comentário que refere a APELA. Pois! Só se lembram de Sta. Bárbara quando há trovões. Ainda não passou muito tempo desde as últimas eleições para a Ordem. Sabem qual foi a percentagem de votação? Vão ver e espantem-se. E a maior parte dos votantes foram colegas que já têem o seu nicho de mercado e outros que até já nem trabalham. Vejam portanto o interesse dos membros mais recentes. E digo isto com conhecimento de causa, porque estive numa mesa de voto todo o dia.
Não se pode só ir ao dentista quando doi o dente. Toda a malta quando apanha o "canudinho" pensa que já é a vedeta como aquelas vedetas que ajudou a contruir e desliga-se da "luta".
Estágios de borla? Arquitectos a trabalhar a 5, 6, 7 ou 8 Euros à hora e a passar recibos verdes? Cada um a querer ter o seu "ateliezinho" em lugar de fazer parcerias para ter mais força? Assembleias da Ordem com meia dúzia de participantes? Ter medo de dar a cara ou até de colocar o seu nome nas reclamações?
Pois é. Assim não vamos longe, tudo isso acontece porque queremos. Caramba, afinal somos uma das poucas classes profissionais que não luta pelos seus direitos. Os enfermeiros lutam, os engenheiros lutam, os médicos lutam,....... Toda essa gente quando é necessário vai para a rua, reclama, faz-se ouvir. Os Arquitectos lamentam-se em posts na internet, ainda por cima sob pseudónimo. Está bem.
Luis Manata - Arquitecto nº 15895 (projectista desde 1972)


Completamente de acordo, a maioria dos arquitectos e aspirantes a arquitectos devesse achar muito elitista para reenvidicar os próprios direitos, infelizmente só temos aquilo que merecemos!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.